Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Alterada em 13/03 às 10h07min

STJ mantém indenização de R$ 400 mil da Caixa a caseiro Francenildo

Folhapress
A Terceira Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) confirmou nesta quarta-feira (13), por unanimidade, a indenização de R$ 400 mil ao caseiro Francenildo dos Santos Costa pela quebra de sigilo bancário. Em 2006, a quebra resultou na queda do então ministro da Fazenda Antonio Palocci, durante o governo Lula.
Francenildo moveu ação contra a Editora Globo por uma matéria publicada na Revista Época e a Caixa Econômica Federal pela quebra de sigilo bancário. De acordo com a decisão do STJ, a indenização será paga pela Caixa -a editora Globo não terá que indenizar o caseiro.
Em 2009,por 5 votos a 4, os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal)rejeitaram a denúncia do Ministério Público contra o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci. Ele era acusado de ter participado da quebra do sigilo bancário de Francenildo.
Em setembro de 2016, ele foi preso em caráter preventivo em uma das fases da Operação Lava Jato.
O ex-ministro petista ficou pouco mais de dois anos na cadeia em Curitiba até ser solto pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em novembro de 2018.
Palocci foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por causa de seu envolvimento com empreiteiras contratadas para construir sondas de exploração de petróleo, e agora cumpre pena em regime de prisão domiciliar, monitorado por tornozeleira eletrônica.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia