Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Edição impressa de 12/03/2019. Alterada em 11/03 às 22h35min

Legislativo tem tarde de homenagens em alusão ao 8M

Barbara Penna (c) recebeu o título de Cidadã de Porto Alegre

Barbara Penna (c) recebeu o título de Cidadã de Porto Alegre


/EDERSON NUNES/CMPA/JC
Diego Nuñez
A Câmara Municipal de Porto Alegre concedeu o título de Cidadã de Porto Alegre à Bárbara Penna, integrando as homenagens ao Dia Internacional da Mulher - neste ano, o dia 8 de março coincidiu como a semana do Carnaval e, por isso, a atividade ocorreu somente ontem.
Em 7 de novembro de 2013, Barbara foi vítima de tentativa de feminicídio. Ela foi agredida, teve seu corpo queimado e seus dois filhos - de três meses e dois anos - assassinados por João Guatimozin Moojen Neto, ex-namorado e pai das crianças, que hoje está preso.
Mais de cinco anos após o crime, Barbara virou um exemplo de resistência e sobrevivência feminina em um País onde uma mulher é vítima de violência física a cada sete segundos, conforme apurou levantamento feito pelo o Instituto Maria da Penha.
Hoje, ela se dedica a um trabalho de conscientização, pegado sua própria história como exemplo. Barbara disse que realiza essa atividade, pois "muitas vezes (mulheres que sofreram agressões) deixam de procurar as autoridades porque sabem que as autoridades acabam falhando, e buscam a orientação de alguém que realmente tenha sentido na pele".
Barbara tem tentado fundar o Instituto Barbara Penna com o mesmo foco do trabalho que exerce hoje por conta própria. Ela relata não consegue ajudar mais por falta de apoio. "Não recebo todo o apoio que precisaria, falta dinheiro, estou há anos tentando conseguir uma sede" para o instituto.
Conforme conta Barbara, o título recebido no Legislativo serve de incentivo para continuar prestando auxílio a mulheres vítimas de agressão e persistir na busca pela abertura do seu instituto.
"Eu não gosto de contar a história da Barbara, porque é muito triste, mas é importante que as pessoas saibam que ela é uma sobrevivente", disse, com voz embargada, a deputada federal e ex-vereadora da casa Fernanda Melchionna (PSOL), presente na sessão de ontem do Legislativo. Foi durante o mandato que a vereadora encaminhou o projeto de lei solicitando a concessão à Barbara do título de Cidadã de Porto Alegre. A jovem é natural de Goiânia (GO) e mora na Capital desde os quatro anos.
Além de prestar homenagem à Barbara, Melchionna foi à Câmara Municipal para a cerimônia de inclusão da sua foto, bem como a da ex-vereadora e agora deputada estadual Sofia Cavedon (PT), na galeria Mulheres no Poder, que celebra as figuras do sexo feminino que já exerceram mandatos na casa. A cerimônia foi conduzida pela presidente do Legislativo, a vereadora Mônica Leal (PP).
A ex-vereadora Ana Godoy foi outra homenageada na tarde de ontem no Legislativo de Porto Alegre. Empossada em 1983, Ana foi a primeira vereadora da história da bancada petista no Legislativo e, por isso, os vereadores do PT encaminharam o requerimento de homenagem.
A sessão de ontem não teve projetos aprovados.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia