Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

partidos

Edição impressa de 22/02/2019. Alterada em 21/02 às 01h00min

MPF apurará se Flávio lavou dinheiro em imóveis

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro foi incumbido pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de apurar se o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), praticou crime de lavagem de dinheiro na negociação de imóveis.
O caso já vinha sendo investigado pela Polícia Federal, mas, no MPF, houve a dúvida sobre em qual instância deveria tramitar, depois de Flávio se eleger para o Senado. A Procuradoria-Geral da República, então, enviou o caso ao MPF fluminense, levando em consideração a regra do Supremo que limita o foro se o suposto crime tiver sido cometido no mandato e em razão dele. O que o MPF no Rio vai analisar é se as "negociações relâmpagos" de imóveis resultaram em um aumento patrimonial incompatível de Flávio, segundo as investigações da Polícia Federal. Os fatos são apurados também do ponto de vista eleitoral. Nesse caso, a Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro está fazendo a análise sobre se Flávio cometeu crime ao declarar à justiça eleitoral imóveis com valores incompatíveis com os avaliados no mercado. A PGR já havia dito que a procuradoria regional eleitoral detém a competência de analisar esse caso.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia