Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de fevereiro de 2019.
Dia do Gráfico.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

07/02/2019 - 15h39min. Alterada em 07/02 às 15h39min

Moro: Políticos que me perdoem, mas caixa dois é trapaça

Criminalização do caixa dois está nas propostas do projeto de lei apresentado por Moro

Criminalização do caixa dois está nas propostas do projeto de lei apresentado por Moro


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
Estadão Conteúdo
O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, fez nesta quinta-feira (7) uma defesa enfática da criminalização do caixa dois, um dos pontos do projeto anticrime apresentado por ele no começo da semana.
"Os políticos que me perdoem, mas caixa dois é trapaça, é crime. Não tão grave quanto a corrupção, mas tem de ser criminalizado", afirmou o ministro.
Moro defendeu em mais de uma vez na palestra a necessidade de governo, Congresso e sociedade civil.
O ministro disse ainda que o Estado tem de reconhecer a existência de organizações criminosas.
"Sinceramente não deu certo. Não reconhecer o problema é pior. Nós estamos reconhecendo o problema e queremos mandar uma mensagem", disse.
Moro também defendeu que o projeto de lei anticrime apresentado por ele no início da semana não concede licença para policiais matarem.
"O que existe é um aclaramento de ações que ocorrem na prática", afirmou, em relação ao trecho do projeto que trata da modificação do que é considerado legítima defesa.
"Na prática os juízes resolvem isso ao não reconhecermos situações de excesso (de policiais)."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia