Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Coaf

- Publicada em 23h36min, 06/02/2019.

Novo promotor é designado para o caso Queiroz

A investigação do relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), mudará de mãos. Quem analisará o caso, a partir desta quarta-feira, é o promotor Luís Otávio Lopes. Inicialmente designado para o caso, o promotor Claudio Calo se declarou suspeito, na noite da terça-feira.
A investigação do relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), mudará de mãos. Quem analisará o caso, a partir desta quarta-feira, é o promotor Luís Otávio Lopes. Inicialmente designado para o caso, o promotor Claudio Calo se declarou suspeito, na noite da terça-feira.
Lopes é titular da 25ª Promotoria de Investigação Penal (PIP), que é tabelar (sucessora) da 24ª PIP, de Calo, ou seja, é quem recebe o caso como substituta imediata. Enquanto o promotor Claudio Calo for o titular da 24ª PIP, o procedimento, no qual arguiu o impedimento/suspeição, ficará na 25ª PIP.
Calo se declarou suspeito para analisar o caso um dia após recebê-lo. Ele tomou essa iniciativa depois da repercussão negativa de antigas publicações feitas pelo promotor em sua conta no Twitter. Nelas, o representante do Ministério Público compartilhou postagens sobre a família do presidente da República, Jair Bolsonaro, e comentou o caso Queiroz.
Ao longo do dia houve grande questionamento nas redes sociais sobre a imparcialidade do promotor. Calo disse que deixou o caso por uma "questão técnica e não por pressão, em razão do Twitter, ou por questão de simpatia ou antipatia pela família." E completou: "Já denunciei pessoas de vários partidos MDB, DEM, PT, PRTB dentre outros".
O promotor também alegou que, apesar de não ser amigo ou inimigo de nenhuma pessoa mencionada nos autos, encontrou-se pessoalmente com Flávio quando este era deputado estadual e senador eleito ainda não diplomado. A reunião teria sido antes dos fatos investigados serem divulgados pelos meios de comunicação, em 30 de novembro. O encontro foi intermediado por ex-colegas de turma do promotor no curso de direito.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO