Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Governo Federal

- Publicada em 23h32min, 05/02/2019.

Poucas siglas integram 1º escalão de Bolsonaro

A composição da Esplanada dos Ministérios, em comparação com os últimos seis governos eleitos, é a que menos tem relação com o tamanho dos partidos na Câmara dos Deputados. As legendas representadas no primeiro escalão do presidente Jair Bolsonaro (PSL) têm apenas 24% das vagas de deputados.
A composição da Esplanada dos Ministérios, em comparação com os últimos seis governos eleitos, é a que menos tem relação com o tamanho dos partidos na Câmara dos Deputados. As legendas representadas no primeiro escalão do presidente Jair Bolsonaro (PSL) têm apenas 24% das vagas de deputados.
Ao tomar posse, em 1995, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) contemplou com cargos em seu ministério partidos que dominavam 57% da Câmara, um pouco menos do mínimo necessário para aprovar mudanças constitucionais (60%). No segundo mandato de FHC, a base de deputados com correligionários em cargos-chave ficou ainda mais ampla: 80%.
Na era petista, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) começou a governar com uma taxa de 42%, e, ao ser reeleito, a ampliou para 66%. Sua sucessora, Dilma Rousseff (PT), manteve margens semelhantes - 63% e 64% no início do primeiro e do segundo mandatos, respectivamente.
Tanto Fernando Henrique como os presidentes petistas, que tinham uma agenda de reformas dependente do aval do Congresso, distribuíram ministérios como forma de cooptar aliados e garantir deles fidelidade. Ainda que essa fidelidade nunca tenha sido absoluta, a história recente ensina que a participação no Executivo influencia o comportamento das bancadas em votações no Legislativo.
O presidencialismo de coalizão - sistema que marcou a política brasileira no último quarto de século - é rejeitado por Bolsonaro. Seu desafio será garantir apoio no Congresso Nacional mesmo sem compartilhar o poder.
Bolsonaro, no entanto, tem a seu favor a afinidade ideológica com a maioria da Câmara. As chamadas bancadas da Bíblia, do boi e da bala (religiosos, representantes do agronegócio e defensores da liberação das armas) estão alinhadas com o discurso e algumas metas do Executivo. Essas bancadas temáticas, porém, se dividem quando o tema em votação escapa de suas esferas imediatas de atuação. Nos partidos, onde existe orientação do líder em cada voto, costuma haver mais unidade.
A reforma da Previdência, prioridade da nova administração, deve mostrar até que ponto é para valer a ruptura com o modelo de cooptação de partidos por meio da distribuição de cargos.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO