Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 31 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 31/01 às 15h18min

Problema da Venezuela será resolvido por forças armadas venezuelanas, diz Mourão

Em conversa com jornalistas, Mourão reiterou que o governo brasileiro não intervirá

Em conversa com jornalistas, Mourão reiterou que o governo brasileiro não intervirá


Wilson Dias/Agência Brasil/JC
Estadão Conteúdo
O vice-presidente Hamilton Mourão avaliou nesta quinta-feira (31) que o destino do governo de Nicolás Maduro, na Venezuela, será decidido pelas próprias Forças Armadas do país vizinho. Em entrevista à imprensa, ele avaliou também que esse "momento" está "chegando".
"A questão da Venezuela será resolvida no momento em que as Forças Armadas venezuelanas se derem conta (da situação)", disse. "O país está fechado em si mesmo (...) Nós militares entendemos que tudo tem um limite."
Na conversa com os jornalistas, Mourão reiterou que o governo brasileiro não intervirá. "Nós temos a tradição de não intervir nas questões internas de outros países. Não vamos cruzar uma linha de algo que sabemos como começa e não sabemos como termina", afirmou.
Ao comentar pedidos da oposição venezuelana sobre bloqueio de recursos de autoridades do país no Brasil, o vice-presidente afirmou que a proposta foi discutida. Ele ressaltou que o governo brasileiro sofre "pressões" para tomar medidas contra o governo de Nicolás Maduro. Mourão lembrou também que os Estados Unidos cortaram recursos da Venezuela e a Comunidade Europeia reconheceu a presidência interina do deputado opositor Juan Guaidó.
Mourão disse que o governo acompanha com atenção a crise e, em especial, a situação dos jornalistas que foram presos durante a cobertura política. "Esse problema não é de hoje. A liberdade de imprensa foi banida", comentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia