Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Governo Federal

- Publicada em 00h24min, 31/01/2019.

Jair Bolsonaro reassume presidência após cirurgia

Depois de passar dois dias afastado do cargo para ser submetido a uma cirurgia, Jair Bolsonaro (PSL) reassumiu a presidência da República na manhã desta quarta-feira. Do hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado desde domingo, trocou mensagens com o vice, general Hamilton Mourão (PRTB), pela manhã.
Depois de passar dois dias afastado do cargo para ser submetido a uma cirurgia, Jair Bolsonaro (PSL) reassumiu a presidência da República na manhã desta quarta-feira. Do hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado desde domingo, trocou mensagens com o vice, general Hamilton Mourão (PRTB), pela manhã.
Mourão disse ter escrito ao presidente para relatar os fatos ocorridos nos últimos dias. "Ele não pode ficar falando", disse. Mourão assumiu o cargo na manhã de segunda-feira, quando Bolsonaro foi submetido a uma cirurgia para reconstrução do trânsito intestinal, em um procedimento que durou sete horas.
O presidente Jair Bolsonaro vai fazer, a partir da sexta-feira, despachos por vídeo ou audioconferência, caso seja necessário. Ele recebeu alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) nesta quarta-feira.
De acordo com o boletim médico divulgado na tarde de ontem, o presidente segue apresentando boa evolução clínica e não tem sangramentos nem febre. Sua agenda desta quarta-feira foi divulgada "sem compromissos oficiais". Ele teve contato, ainda, com parte de seu staff do Planalto, como chefe de gabinete e assessores de imprensa, além do porta-voz, Otávio Rêgo Barros. Ministros em Brasília aguardam novos boletins médicos para definir se vão a São Paulo nesta quinta-feira despachar com o presidente.
Se houver uma sinalização de que Bolsonaro tem condições de receber auxiliares, Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni (DEM, Casa Civil) devem levar ao presidente detalhes finais da reforma da Previdência.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO