Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo federal

17/01/2019 - 12h59min. Alterada em 17/01 às 13h04min

Decreto sobre armas ajuda a assegurar direito à legítima defesa, diz Bolsonaro

Bolsonaro assinou decreto na terça-feira flexibilizando as regras para a posse de arma

Bolsonaro assinou decreto na terça-feira flexibilizando as regras para a posse de arma


EVARISTO SA / AFP/JC
Estadão Conteúdo
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) recorreu ao Twitter para defender o decreto por ele assinado na última terça-feira (15), que flexibiliza as regras para a posse de arma. O presidente disse que "falácias" têm sido ditas a respeito.
"A pior delas conclui que a iniciativa não resolve o problema da segurança pública. Ignorando o principal propósito, que é 'iniciar' o processo de assegurar o direito inviolável à legítima defesa", escreveu.
A mensagem de Bolsonaro chega um dia após o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), declarar que o decreto não melhora a segurança pública e beneficia apenas a quem tem condições financeiras de comprar uma arma.
O decreto assinado por Bolsonaro, além de atrair críticas de setores contrários à revisão de políticas relacionadas a armamentos, também ficou aquém das expectativas de parte dos que apoiam a flexibilização das normas.
Entre os que se manifestaram contra o decreto, o diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o sociólogo Renato Sérgio de Lima, disse que a decisão tende a agravar o quadro na segurança pública. "O governo apostou na violência e não na paz." O ex-prefeito Fernando Haddad (PT), candidato derrotado na eleição presidencial, disse pelo Twitter que a medida tomada pelo governo "nos conduzirá à privatização" da segurança como serviço público.
Sem citar nomes, Bolsonaro afirmou que "medidas eficientes para a segurança pública ainda serão tomadas e propostas" e acusou os críticos de estarem na "torcida contra". O presidente ainda culpou "governos anteriores" pelos problemas na segurança pública nacional e desabafou: "Mal dá pra resolver tudo em quatro anos, quem dirá em 15 dias de governo."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
sergio 17/01/2019 18h23min
Sinceramente não estou entendendo a polêmica!nEsperem o "HOME", editar o segundo ato do projeto inicial: "MINHA ARMA, MINHA VIDA". Claro que o financiamento será pela Caixa Economica Federal em 36 meses sem juros e correção. Esperem e verão.
Eduardo 17/01/2019 15h42min
Legítima defesa não existe! Toda a defesa é legítima.