Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Edição impressa de 09/01/2019. Alterada em 09/01 às 01h00min

Sílvio Zago será o novo diretor-geral do Legislativo

Após o afastamento de Tarso Boelter (PP) - como consequência de um inquérito da Polícia Civil no qual foi indiciado por irregularidades em sua gestão no Departamento de Esgotos Pluviais (DEP) -, quatro dias depois da sua nomeação como diretor-geral da Câmara Municipal de Porto, o Legislativo anunciou um novo nome para o cargo.
Trata-se de Sílvio Zago (PP), servidor de carreira do município há 24 anos e que atualmente exerce o cargo de auditor de controle interno da Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão. Graduado em Ciências Contábeis e mestre em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Zago enxerga a Câmara, em comparação ao Paço Municipal, ainda "um pouco carente de ferramentas de gestão e transparência. Estávamos bem avançados em alguns projetos na prefeitura. Vamos trabalhar em cima disso, qualificar a relação com a sociedade, na organização da informação".
Zago acredita que "a sociedade precisa saber o que é feito com os recursos que ela paga em impostos" e diz que a Diretoria-Geral trabalhará para "controlar os gastos para ajudar o Executivo na crise".
Ex-titular do DEP, Boelter é um dos indiciados em inquérito, encerrado em dezembro, que apura irregularidades no cumprimento de contrato para serviços de hidrojateamento e sucção em redes pluviais. Também consta entre os indiciados o nome de Francisco Eduardo Mello dos Santos (MDB), diretor adjunto do DEP entre 2013 e 2016. Além deles, estão sob suspeita três ex-servidores do DEP, além de dois empresários e dois funcionários, ligados às empresas Ambiental BR e JB Comércio e Serviços Ambientais.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia