Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

novo governo

- Publicada em 05h31min, 03/01/2019.

Em discurso moderado, Onyx acena para oposição

O ministro-chefe da Casa Civil, o gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM), tomou posse ontem com um discurso conciliador e apelando à oposição por um pacto para que ajude a gestão Jair Bolsonaro (PSL) a governar o país. Na frente do chefe, afirmou que ele não "recebeu um papel em branco" da população ao ser eleito no segundo turno contra Fernando Haddad (PT).
O ministro-chefe da Casa Civil, o gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM), tomou posse ontem com um discurso conciliador e apelando à oposição por um pacto para que ajude a gestão Jair Bolsonaro (PSL) a governar o país. Na frente do chefe, afirmou que ele não "recebeu um papel em branco" da população ao ser eleito no segundo turno contra Fernando Haddad (PT).
Na véspera, o presidente havia citado a necessidade de apoio parlamentar em discurso no Congresso, mas sua fala pública na praça dos Três Poderes retomou a retórica agressiva da campanha eleitoral, dizendo que havia começado a libertar o país do "socialismo" associado ao PT - que deixou o poder há mais de dois anos.
A modulação do discurso parece indicar uma nova dinâmica no Planalto sob nova gestão, em que declarações incendiárias para galvanizar a base de apoio de Bolsonaro são intercaladas por falas apaziguadoras destinadas aos atores políticos.
"Eu conversei com o presidente hoje pela manhã e nos cabia fazer o primeiro gesto", disse depois o chefe da Casa Civil sobre seu discurso. "A gente tem clareza e estará muito firme no que acreditamos. Mas isso não quer dizer que não sejamos capazes com humildade estender a mão e pedir um entendimento porque tem um valor maior que é o nosso país."
Bolsonaro deu posse, no Palácio do Planalto, a Onyx e ao secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno (PSL-RJ). Os dois generais de quatro estrelas da reserva que integram o novo núcleo duro palaciano, Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo), também assumiram. O presidente não discursou ou deu declarações, saindo do evento para receber o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.
Onyx, usualmente um crítico ácido do PT e da esquerda, afirmou que "o governo vai surpreender" por sua capacidade de diálogo. "Não podemos errar, e uma das formas (para isso) é ter bons ouvidos para aqueles que se opõem ao nosso governo", afirmou. "Não é possível que a oposição não possa compreender, assim como o governo, que vamos ter que olhar primeiro para o Brasil, para as famílias brasileiras, presente das pessoas e garantir o futuro", completou. O novo ministro disse ainda que as disputas políticas "podem e devem ser travadas", mas que "o diálogo será necessário".
O antecessor de Onyx, o também gaúcho Eliseu Padilha (MDB), defendeu o legado do ex-presidente Michel Temer (MDB) e disse que o novo governo terá de mostrar serviço. "Desejo que tenha tanta ou mais sorte do que tivemos. E que consiga fazer mais, porque a expectativa do Brasil é muito grande e temos de corresponder, temos de ter ações para corresponder", afirmou.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO