Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 02 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Minas Gerais

Edição impressa de 02/01/2019. Alterada em 02/01 às 01h00min

Em Minas, Zema prevê déficit de R$ 30 bi em 2019

A cerimônia de início de gestão do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), na Cidade Administrativa foi breve, com cerca de 30 minutos. Enxuta, como ele diz pretender conduzir sua gestão.
"Fizemos uma campanha limpa, enxuta e eficiente para alcançar o resultado que os mineiros decidiram livre e democraticamente", afirmou no discurso. Zema afirmou que irá fazer um governo "diferente", principalmente no que se refere aos recursos públicos. O governador exemplificou agradecendo as empresas que doaram guarnições para o coffee break.
Ele prevê déficit de R$ 30 bilhões nas contas do estado em 2019. "E, se nada for feito, passará de R$ 100 bilhões nos próximos anos", diz. Os desafios são aumentar receitas sem crescer as alíquotas dos impostos, além de renegociar a dívida do estado com a União. "Neste momento, podemos percorrer dois caminhos: um é seguir reclamando das gestões passadas e talvez perder mais quatro anos. O outro é enfrentar os problemas de frente e tentar resolvê-los", afirma.
Sua equipe já conversa com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) a renegociação de uma dívida de R$ 85 bilhões com a União, em troca de, por exemplo, não realizar concursos públicos e não dar ganhos reais aos servidores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia