Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

19/12/2018 - 11h50min. Alterada em 19/12 às 11h50min

Só não fizemos reforma da Previdência porque houve 'trama', diz Temer em reunião

Presidente frisou que alegações falsas foram construídas contra ele

Presidente frisou que alegações falsas foram construídas contra ele


MARCOS CORRÊA/PR/JC
Estadão Conteúdo
Uma "trama" impediu a aprovação da reforma da Previdência, disse nesta quarta-feira (19), o presidente Michel Temer, em reunião ministerial encerrada no final da manhã no Palácio do Planalto. Ao dizer que a harmonia de sua equipe com as lideranças no Congresso Nacional permitiram a aprovação de uma série de reformas, ele frisou que só a da Previdência não foi aprovada. "Isso só não foi possível porque houve uma urdidura, uma trama de tal natureza que foi depois desvendada, ou seja, os meus detratores, aqueles que urdiram a trama, acabaram presos", disse.
Temer se referiu à gravação de uma conversa sua com um dos donos do grupo J&F, Joesley Batista, na qual, o executivo disse ter "zerado" pendências com o ex-deputado Eduardo Cunha e que por isso estaria "de bem" com ele. Ao que, aparentemente, o presidente responde: "tem de manter isso, viu?"
Em seu discurso, Temer frisou que essa foi uma trama construída contra ele, e que isso já foi revelado. "O pessoal que entrou com gravadorzinho da feira do Paraguai (centro popular de comércio de eletrônicos em Brasília) acabou preso", disse. "Procuradores que já trabalhavam para a empresa enquanto estavam na Procuradoria foram denunciados", acrescentou, referindo-se ao ex-procurador Marcelo Miller, que trabalharia também para o escritório Trench Rossi Watanabe, que na época tinha a J&F entre suas clientes.
"Devo enfatizar o fato que naquela gravação criou-se uma frase falsa, uma frase falsa depois detectada quando se ouviu o áudio", afirmou o presidente. "Mas certos setores da imprensa pegaram aquilo e tentaram cravar na minha voz, na minha palavra, a frase que não existe."
Temer reivindicou para si o fato de ter colocado o tema da reforma da Previdência na pauta do País. "O que mais se fala agora é precisamente o momento em que se fará a reforma da Previdência", comentou. "Ela será feita, não tem a menor dúvida de que isso será feito."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia