Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de dezembro de 2018.
Dia Nacional do Ministério Público.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Edição impressa de 14/12/2018. Alterada em 14/12 às 01h00min

UBSs deverão ter equipamentos adaptados para mulheres deficientes

Os vereadores de Porto Alegre aprovaram pela unanimidade dos 21 parlamentares presentes, nesta quinta-feira, o projeto de lei da vereadora suplente Margarete Moraes (PT) que prevê que as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) disponibilizem, sempre que possível, equipamentos adaptados às necessidades de mulheres com deficiência quando da realização de exames médicos. A proposta foi aprovada com uma emenda.
Em sua justificativa, a vereadora sugere que as UBSs tenham mesas de exames, macas, camas e equipamentos que atendam às necessidades especiais das pacientes. Margarete destaca que, de acordo com Pesquisa Nacional de Saúde realizada em 2015 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 6,2% da população brasileira tem algum tipo de deficiência. Ela explica ainda que a pesquisa considerou quatro tipos de deficiências: auditiva, visual, física e intelectual. Outro dado citado é o de que aproximadamente 2,6 milhões de pessoas (1,3% da população) possuíam deficiência física na ocasião da pesquisa. Já a deficiência intelectual acometia cerca de 1,6 milhão de brasileiros (0,8% da população).
Especificamente sobre a saúde feminina, a parlamentar ressalta que cerca de 60% das mulheres brasileiras, entre 50 e 69 anos de idade, fizeram mamografia em 2013. "São números preocupantes, pois se observa que há muito a avançar. Por certo, uma das dificuldades que concorrem para que esses números de exames ainda não sejam ideais é a dificuldade que as mulheres com deficiência têm em realizar seus exames em equipamentos não adaptados às suas necessidades."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia