Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

São Paulo

Edição impressa de 12/12/2018. Alterada em 12/12 às 01h00min

Meirelles será secretário da Fazenda de João Doria

Depois de comandar o Banco Central durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o Ministério da Fazenda no governo de Michel Temer (MDB) e concorrer à presidência da República, Henrique Meirelles (MDB) será secretário de Fazenda e Planejamento do estado de São Paulo a partir de 1 de janeiro. Ele aceitou ontem o convite feito pelo governador eleito João Doria (PSDB).
Com Meirelles, o tucano encerra a escolha do seu secretariado. Dos 20 nomes escalados por Doria, seis participaram do Ministério de Temer. Além de Meirelles, o futuro governador de São Paulo indicou Gilberto Kassab (PSD) à Casa Civil, Rossieli Soares à Educação, Sérgio Sá Leitão à Cultura, Alexandre Baldy para Transportes Metropolitanos e Vinícius Lummertz para a pasta do turismo.
Depois de fazer carreira no BankBoston, Meirelles foi presidente do Banco Central de 2003 a 2010 e ministro da Fazenda de 2016 a abril deste ano, quando saiu do governo para se candidatar à presidência.
Meirelles terminou a disputa em sétimo lugar, com 1,2 milhão de votos. Apesar de já ter ocupado cargos no governo federal, Meirelles afirmou que o convite de Doria era uma "oportunidade única". O ex-ministro evitou comentar suas ambições políticas no estado, tanto para uma candidatura à prefeitura, daqui a dois anos, ou para a sucessão de João Doria.
Meirelles afirmou que aceitou o convite em razão da importância econômica de São Paulo e da confluência entre suas ideias e o programa de governo de Doria, que deve promover mais desestatizações. O ex-ministro disse que São Paulo poderá puxar um novo ciclo de prosperidade no País. "Vamos liderar o processo de crescimento, com os demais estados e o governo federal", afirmou Meirelles.
Nas conversas para a formação do seu secretariado, João Doria chegou a conversar com o atual ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, mas negou que o tenha chamado para ocupar uma vaga no governo paulista.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia