Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 08 de dezembro de 2018.
Dia da Família.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

08/12/2018 - 16h33min. Alterada em 08/12 às 16h33min

'Além da ajuda financeira, é preciso investigar desvios e corrupção em RR', diz Romero Jucá

Estadão Conteúdo
O senador Romero Jucá (MDB-RR), disse neste sábado (8), que, além da ajuda financeira que será dada pelo governo federal a Roraima, "é preciso investigar com profundidade os desvios e a grande corrupção que sangrou os cofres públicos" no Estado. A declaração foi dada por meio de sua conta no Twitter.
Jucá destacou que haverá uma reunião no Palácio da Alvorada nesta tarde, convocada pelo presidente Michel Temer na sexta-feira (7), para discutir a intervenção em Roraima. O encontro estava marcado para começar às 16h.
"Roraima teve excesso de arrecadação de R$ 580 milhões além do orçamento previsto para 2018. Estavam previstas todas as despesas de pessoal, duodécimo dos poderes, ICMS das prefeituras, educação, saúde e segurança. Onde foi esse dinheiro?", questionou o senador no tweet.
Jucá ainda afirmou que o Estado é alvo da ação de uma "quadrilha" ligada à governadora Suely Campos (PP). "O marido e o filho já estão presos e outros irão", acrescentou.
Conforme publicado na edição deste sábado do jornal O Estado de S. Paulo, Temer decretou intervenção federal em Roraima após uma reunião de emergência convocada na noite de Sexta-feira (8), na qual se discutiu a greve dos agentes penitenciários e da Polícia Militar.
Uma das medidas adotadas será a liberação de um crédito extraordinário para pagar despesas em atraso, como salários de servidores e pagamentos a fornecedores. O valor será entre R$ 150 milhões e R$ 200 milhões. Temer deverá editar uma medida provisória para liberar o dinheiro. A primeira parcela será de R$ 23 milhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia