Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de dezembro de 2018.
Dia Mundial da Propaganda.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

Edição impressa de 04/12/2018. Alterada em 04/12 às 01h00min

Comissão Mista de Orçamento vota últimos relatórios setoriais

A Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) tem reunião marcada hoje para analisar os dois últimos relatórios setoriais do projeto de lei orçamentária de 2019 (PLN 27/2018). Os parlamentares ainda precisam votar os relatórios das áreas de Transporte, ainda não entregue pelo senador Wilder Morais (DEM-GO), e o de Defesa e Justiça, já apresentado pelo senador Wellington Fagundes (PR-MT). Os relatórios setoriais tratam dos diversos poderes e órgãos públicos de forma individual. O trabalho é complementar ao do relator-geral, senador Waldemir Moka (MDB-MS), na discussão das despesas públicas. Ao todo, o projeto do novo Orçamento da União é dividido em 16 relatores setoriais.

Esta semana foram aprovados 14 relatórios setoriais pela CMO. Somente após a votação dos dois últimos relatórios setoriais é que Moka poderá apresentar o parecer final ao projeto orçamentário. Para garantir a votação dos dois relatórios, o presidente da Comissão de Orçamento, deputado Mário Negromonte Jr. (PP-BA), marcou reuniões sucessivas entre hoje, a partir das 14h30min, e amanhã.

Além dos relatórios setoriais, a Comissão Mista de Orçamento também poderá votar na próxima semana o relatório do Comitê de Avaliação das Informações sobre Obras e Serviços com Indícios de Irregularidades (COI), ainda não apresentado. O documento relaciona as obras federais flagradas com irregularidades graves pelas auditorias do Tribunal de Contas da União (TCU).

São empreendimentos públicos onde foram encontrados problemas como superfaturamento, sobrepreço ou projetos deficientes. Pelas regras da Comissão Mista de Orçamento, o relatório do comitê é votado antes do parecer final da proposta orçamentária.

No relatório, o COI deverá indicar as obras que não poderão ser executadas com recursos do Orçamento de 2019 enquanto não forem solucionadas as irregularidades apontadas pelo TCU. O comitê é coordenado pelo deputado federal gaúcho Covatti Filho (PP).

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia