Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de novembro de 2018.
Dia do Músico. Feriado nos EUA - Dia de Ação de Graças.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Direitos Humanos

22/11/2018 - 17h50min. Alterada em 22/11 às 17h50min

Polícia já identificou envolvidos na morte de Marielle, diz secretário

Marielle Franco foi morta pela milícia, diz general Nunes

Marielle Franco foi morta pela milícia, diz general Nunes


YouTube/Reprodução/JC
Estadão Conteúdo
O secretário de Segurança Pública do Rio, general Richard Nunes, informou que a Polícia Civil já identificou alguns dos envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, ocorrido em 14 março no Rio.
"Não podemos ser precipitados. No momento que prende um (criminoso), não prende os demais. Alguns participantes nós temos. Temos que criar uma narrativa consistente com provas cabais que não venham a ser contestadas em juízo. Seria um fracasso que a sociedade não observasse essas pessoas como criminosas e elas não fossem condenadas no tribunal do júri", disse Nunes, em entrevista à Globonews.
Ele garantiu que a milícia está envolvida com o crime e disse acreditar na participação de políticos.
O secretário disse que o crime tem a ver com a atuação política. "Não é um crime de ódio. E a milícia, com toda certeza, se não estava no mando do crime em si, está na execução", disse Nunes.
Nunes afirmou que pretende entregar o caso solucionado no final do período da intervenção federal, em 31 de dezembro, conforme determina o decreto assinado em fevereiro pelo presidente Michel Temer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia