Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de outubro de 2018.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

partidos

Edição impressa de 31/10/2018. Alterada em 31/10 às 01h00min

Possível bloco de oposição sem o PT incomoda integrantes da sigla

Lideranças petistas criticaram ontem o movimento de partidos de esquerda para articular um bloco de oposição sem o PT no Congresso Nacional. A construção é discutida entre PDT, PSB e PCdoB.
"Eu não acredito que o foco principal desses partidos seja excluir o PT porque acho que estamos vivendo uma situação bem dramática para qualquer ator ser excluído de um processo", disse em coletiva de imprensa a presidente nacional do PT, senadora paranaense Gleisi Hoffmann.
 Ela ainda criticou a possibilidade de o movimento ter o objetivo de dar protagonismo a Ciro Gomes (PDT) na liderança da oposição ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). "Acho que não é isso que nos move, o protagonismo da oposição. Tem que nos mover o que nos concilia, o que temos de mais importante que é a resistência."
Para o deputado José Guimarães (PT-CE), é impossível excluir do bloco o partido que teve 47 milhões de votos no segundo turno da eleição presidencial. Mais cedo, ele havia defendido que o presidenciável petista Fernando Haddad encabece a oposição no País. "Esqueça Ciro Gomes", disparou.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia