Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de outubro de 2018.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Direitos Humanos

Edição impressa de 31/10/2018. Alterada em 31/10 às 01h00min

Exército abre inquérito para tortura em quartel

O Exército abriu um Inquérito Policial Militar (IPM) para investigar uma sessão de tortura dentro de um quartel na Zona Oeste do Rio de Janeiro. O caso foi revelado pelo jornal Extra na sexta-feira passada.

A abertura da investigação foi determinada por três juízes diferentes após ouvirem os relatos dos presos. Quatro deles afirmaram, em depoimentos prestados em três ocasiões diferentes, que foram espancados com pedaços de madeira e levaram chicotadas com fios elétricos dentro de uma "sala vermelha" na 1ª Divisão de Exército, na Vila Militar, em 20 de agosto. Ao todo, 11 presos relatam terem sido torturados na ocasião. Alguns afirmam que, ainda no jipe do Exército, levaram choques com armas taser e jatos de spray de pimenta no rosto. Um dos presos afirma que, na sala, "foi feito um interrogatório violento", em que os militares perguntavam sobre traficantes do Complexo da Penha. "Ao responder que não sabia, apanhava com madeiradas na nuca e chicotadas com fio elétrico nas costas", relatou o preso.

As lesões foram atestadas por uma médica durante a audiência de custódia.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia