Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

25/10/2018 - 10h49min. Alterada em 25/10 às 12h17min

Raquel Dodge pede depoimento de suposto coronel que ofendeu Rosa Weber

Militar teria ameaçado ministra caso ações contra Jair Bolsonaro fossem aceitas

Militar teria ameaçado ministra caso ações contra Jair Bolsonaro fossem aceitas


WILSON DIAS/AGÊNCIA BRASIL/JC
Estadão Conteúdo
Ao requerer a instauração de inquérito sobre ameaças à ministra Rosa Weber, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu audiência com o suposto "Coronel Carlos Alves", que aparece em vídeo proferindo ofensas contra a presidente do Tribunal Superior Eleitoral. As informações foram divulgadas pela PGR.
Em vídeo, o militar ameaça a ministra caso sejam aceitas as ações contra o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, por caixa 2 e abuso de poder econômico. No documento, a PGR cita que a Segunda Turma do STF aprovou, por unanimidade, representação para adoção das providências cabíveis, na esfera criminal.
Para Raquel Dodge, a manifestação feita no vídeo, que tem a duração de 28min e 59s, "contém graves ofensas à honra da ministra Rosa Weber, imputando-lhe tanto fatos definidos, em tese, quanto conduta criminosa, além de difamar-lhe a reputação, mediante imputação de fatos extremamente ofensivos".
Além de graves acusações aos integrantes do TSE e do STF, há manifestações que podem ser consideradas crime contra a honra do ministro Ricardo Lewandowski, "mediante falsa imputação de conduta criminosa e de fato ofensivo à sua reputação". Eventuais ofensas a outros integrantes da Corte também deverão ser objeto de análise a partir da transcrição integral do vídeo.
Diante da gravidade dos fatos, Raquel Dodge requer a imediata instauração de inquérito policial para apuração, inicialmente, dos crimes de calúnia, difamação, injúria e ameaça, além de outros. A PGR solicitou, ainda, a identificação, qualificação e oitiva do autor do vídeo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia