Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Edição impressa de 25/10/2018. Alterada em 25/10 às 01h00min

Laudo aponta automutilação em caso da suástica

Um laudo da Polícia Civil do Rio Grande do Sul concluiu que a jovem de 19 anos que teve o corpo gravado por cortes em forma de suástica pode ter se mutilado ou consentido com o ato. Em 8 de outubro, ela registrou em boletim de ocorrência que teria sido agredida e marcada com um canivete enquanto caminhava em Porto Alegre com um adesivo da bandeira LGBT e dos dizeres "Ele Não" - mote dos protestos contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Segundo a perícia, a jovem não reagiu aos cortes. Outra possibilidade é de que supostos agressores a tivessem impedido de reagir durante o ato. A avaliação é de que os cortes são superficiais, uniformes e paralelos, logo não corroborariam com cenário de luta corporal.
"Pode-se afirmar que as lesões foram produzidas: ou pela própria vítima ou por outro indivíduo com o consentimento da vítima ou, pelo menos, ante alguma forma de incapacidade ou impedimento da vítima em esboçar reação", descreve o laudo, que também aponta que os ferimentos dificilmente seriam produzidos se a vítima tivesse "preservada sua capacidade de reação, seja por medo, susto ou reflexo". Ainda de acordo com o documento, pela uniformidade e superficialidade das escoriações, "as lesões verificadas apresentam, portanto, características compatíveis com as de lesões autoinfligidas, embora não haja, a partir exclusivamente dos resultados do exame do corpo de delito, elemento de convicção para se afirmar que efetivamente foram autoprovocadas", diz o documento.
Com base no laudo, o delegado da Polícia Civil Paulo César Jardim concluiu que a jovem forjou a mutilação, e ela deve responder por falsa comunicação de crime. Segundo Jardim, a jovem, uma estudante de pré-vestibular de 19 anos, é uma pessoa "doente, debilitada emocionalmente" e que toma remédios psiquiátricos "fortíssimos".
Jardim afirmou que havia contradições no relato da agressão. Ela contou que sofreu outros ferimentos, causados por socos, mas não tinha outras lesões pelo corpo.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia