Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de outubro de 2018.
Dia da Aviação e do Aviador.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

23/10/2018 - 15h53min. Alterada em 23/10 às 15h54min

Maia visita QG de Bolsonaro e assume compromisso de pautar lei de armamento

Deputado articula para ter o apoio de Bolsonaro e do PSL na disputa pela presidência da Câmara

Deputado articula para ter o apoio de Bolsonaro e do PSL na disputa pela presidência da Câmara


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
Folhapress
Em meio às articulações para tentar um novo mandato como presidente da Câmara em 2019, Rodrigo Maia (DEM-RJ) esteve no QG da campanha de Jair Bolsonaro (PSL) na manhã desta terça-feira (23). Ele deixou sua casa, no bairro de São Conrado, para tomar café da manhã com deputados que integram a bancada da bala em um hotel de luxo na Barra da Tijuca, a 350 metros da casa do presidenciável.
Nos bastidores, Maia articula para ter o apoio de Bolsonaro e do PSL na disputa pela presidência da Câmara. O partido do capitão reformado, que terá a segunda maior bancada, também já fez acenos no sentido de apoiar o deputado do DEM.
Em entrevista recente, o presidente da legenda, Gustavo Bebianno, já disse ver com bons olhos o apoio do PSL a Maia. Perguntado pela reportagem se esse era o tema do encontro, o deputado mostrou-se irritado e negou.
"Não teve conversa de nada. Não vou tratar de nada até dia 28. Não é agenda para agora (presidência da Câmara). A agenda agora é a eleição, qualquer outro assunto é besteira."
Maia negou que, com a visita, estivesse tentando um encontro com Bolsonaro. Após o café da manhã com o presidente da Câmara, deputados da bancada da bala foram recebidos pelo presidenciável do PSL.
Eles foram levados à casa do capitão reformado pelo coordenador da bancada, deputado Alberto Fraga (DEM-DF), e pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), anunciado ministro da Casa Civil de eventual governo Bolsonaro.
A reportagem perguntou se Maia vai declarar apoio abertamente ao candidato do PSL. "Uma declaração não vai fazer nenhuma diferença. Todo mundo sabe meu histórico de oposição ao PT", respondeu.
O presidente da Câmara disse que seu posicionamento sobre a disputa pelo Palácio do Planalto está contemplado pela fala do prefeito ACM Neto, presidente nacional do DEM.
A legenda liberou os filiados para apoiarem quem desejassem, mas o prefeito declarou apoio ao candidato do PSL.
Fraga, que saiu derrotado da disputa pelo governo do Distrito Federal, também negou que o encontro Maia esteja relacionado a apoio à sua reeleição como presidente da Câmara. Segundo ele, o café da manhã serviu para a discussão de pautas que deve ser votadas na Câmara até o fim do ano.
"Um ponto deles é a flexibilização do estatuto do desarmamento, que é muito importante. É uma bandeira de campanha de todos nós", afirmou Fraga.
De acordo com o deputado, o presidente da Câmara prometeu pautar um projeto que revê o estatuto do desarmamento.
O gesto de Maia é visto como uma sinalização a Bolsonaro, que tem como uma de suas principais bandeiras para segurança pública a defesa do porte de armas para cidadãos comuns. Já Fraga afirma que o tema estava na pauta antes mesmo das eleições.
"Esse acordo foi feito antes das eleições, já estava pré-determinado com o presidente Rodrigo Maia, que nós vamos votar de três a quatro projetos de grande importância ainda neste final de ano", disse.
Segundo Fraga, o acordo passa pela votação de três pontos do projeto: diminuição do limite de armas de 6 para 3 por pessoa; fim da exigência da comprovação da necessidade de compra e porte rural de arma dentro dos limites das propriedades.
"Nós, inclusive, estamos com uma proposta de reduzir o número de armas. Portanto, não é nada de forma açodada. Esse acordo já foi feito antes das eleições."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia