Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Edição impressa de 16/10/2018. Alterada em 16/10 às 01h00min

Bolsonaro quer Brasil como 'era a 40, 50 anos atrás'

Em entrevista à Rádio Jornal, de Barretos, o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) afirmou ontem que o objetivo de seu governo é fazer o Brasil "ser igual a 40, 50 anos atrás".
Ele falava, majoritariamente, da insegurança das grandes cidades, defendendo o encarceramento como solução. "Cadeia não recupera ninguém. Cadeia é para tirar o elemento da sociedade", afirmou.
Pela manhã, o deputado federal visitou o Batalhão de Operações Especiais (Bope), no Rio de Janeiro, para agradecer o apoio de policiais. "Obrigado a vocês, e mais do que tudo pode, pela confiança pela parte de muitos, pode ter certeza, em chegando, teremos um dos nossos lá em Brasília. Caveira", disse, encerrando um breve discurso com o grito de guerra que entoa o símbolo do Bope. "Temos a segunda maior bancada de Brasília sem tempo de televisão, sem fundo partidário, sem nada. Isso vem de gente como vocês. Então temos que acreditar e tentar mudar."
O candidato arrancou aplausos e brincou que cumprimentava um coronel, mas que quem vai mandar no Brasil são os capitães. 
 

Em novo programa, candidato do PSL ataca visitas de Fernando Haddad a Lula

O vídeo do programa eleitoral de Jair Bolsonaro (PSL) que foi ao ar ontem atacou as visitas de seu adversário Fernando Haddad (PT) ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba após condenação em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A campanha destacou manchetes de sites noticiosos sobre as visitas e recuo do candidato, que não manterá a agenda de visitas, a pedido de Lula. O programa também faz referência à diminuição do uso do vermelho nos materiais de campanha do PT.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia