Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de outubro de 2018.
Dia Internacional do Combate à Obesidade.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Edição impressa de 11/10/2018. Alterada em 10/10 às 22h14min

Horário eleitoral na TV recomeça nesta sexta-feira

Bruna Suptitz
A propaganda eleitoral em rádio e televisão no segundo turno da disputa, se inicia nesta sexta-feira tanto para a campanha ao governo do Estado quanto para a presidência da República. Diferente do que acontecia no primeiro turno, em que os cargos apareciam nas propagandas em dias intercalados, nesta nova etapa os candidatos à presidência abrem o horário eleitoral gratuito, com cinco minutos cada um, seguidos pelos candidatos ao governo nos estados em que há segundo turno, também com cinco minutos cada. O horário eleitoral gratuito que inicia neste dia 12 segue até o dia 26 - sexta-feira que antecede o pleito.
No Rio Grande do Sul, as estratégias de José Ivo Sartori (MDB) e Eduardo Leite (PSDB) serão conhecidas nas propagandas. Nos três primeiros dias depois da eleição em primeiro turno os candidatos se dedicaram a atender a imprensa e a participar de reuniões internas para a definição de estratégias. 
Atual governador e candidato à reeleição, Sartori deve apostar na comparação entre as biografias dele e de seu adversário - o emedebista tem 70 anos de idade e mais de 40 anos de vida pública, como vereador e prefeito em Caxias do Sul, deputado estadual e federal e governador do Estado. Leite, que já é o candidato mais jovem a chegar ao segundo turno da disputa ao Palácio Piratini, tem 33 anos de idade e experiência como vereador e prefeito em Pelotas.
Essa foi a estratégia do tucano no primeiro turno do pleito, que explorou a atuação de Leite como prefeito. A partir de sexta, conforme indicam os coordenadores da campanha, o eleitor deverá acompanhar propagandas atacando problemas da atual gestão e tentando diferenciar as duas candidaturas - que apresentam propostas semelhantes em seus planos de governo, como a linha de privatização de empresas públicas e a redução de funções do Estado.
A expectativa é por qual será o tom das propagandas e a postura dos concorrentes nos debates. Como esta foi a primeira eleição geral com duração mais curta, os ataques mais diretos entre os dois candidatos que hoje estão no segundo turno passaram a ser percebidos mais perto do pleito, quando as pesquisas de intenção de voto já apontavam esse cenário de acirramento da disputa.
Ainda assim, um ponto em comum deve aproximar os discursos de Leite e de Sartori nas próximas duas semanas. Como nenhum dos candidatos apoiados por eles na disputa presidencial chegou ao segundo turno, ambos optaram por abrir apoio a Jair Bolsonaro (PSL), que disputa a presidência com Fernando Haddad (PT). O MDB confirmou a decisão na segunda-feira, tratando essa como uma recomendação "compreendendo a posição majoritária do povo gaúcho", já que Bolsonaro foi o mais votado no Estado.
Já Leite, que no domingo, após o pleito, sinalizou interesse em "conversar" com Bolsonaro, confirmou na quarta-feira o apoio ao candidato do PSL, justificando que "não podemos admitir o retorno de um projeto de poder que gerou o maio escândalo de corrupção da história", fazendo referência aos governos petistas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia