Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Edição impressa de 10/10/2018. Alterada em 10/10 às 01h00min

Executiva do Solidariedade deve decidir sobre neutralidade hoje

Com maioria favorável a entrar em campanha pelo candidato do PT a presidente da República, Fernando Haddad, o Solidariedade tende a liberar a bancada de parlamentares e seus filiados no segundo turno da eleição presidencial, em que o petista confronta o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ). A executiva nacional do Solidariedade se reunirá hoje, às 10h, para tomar a decisão num hotel em São Paulo.
"Eu acho que tem gente de todo lado, uma maioria pró-Haddad. Mas acho que o melhor caminho para o partido é liberar. A ideia que eu tenho é encaminhar a proposta de liberar. Quem quiser ajudar o Haddad vai ajudar, sem ter obrigação de apoiá-lo", disse o deputado paulista Paulinho da Força, reeleito no domingo.
A postura de neutralidade, ao menos oficial, com liberação dos militantes e filiados com mandato para apoiar Haddad ou Bolsonaro, de acordo com interesses próprios, é uma tendência nos demais partidos do Centrão, bloco que apoiou o tucano Geraldo Alckmin no primeiro turno.
A Força Sindical, principal base social do Solidariedade, anunciou nesta segunda-feira que vai apoiar Haddad. O apoio será formalizado em um encontro do petista com centrais sindicais hoje.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia