Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de outubro de 2018.
Dia do Petróleo Brasileiro. Dia Mundial do Dentista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Minuto Cidadão

Edição impressa de 03/10/2018. Alterada em 03/10 às 01h00min

Urna eletrônica

As eleições são 100% eletrônicas no Brasil desde o ano 2000 e têm como maior símbolo a urna eletrônica, que substituiu as cédulas de papel. A urna tem dois terminais: o do mesário, que habilita o eleitor a votar; e o do eleitor, no qual é digitado o voto. Todos os programas que rodam nos terminais são desenvolvidos pela Justiça Eleitoral, e a urna não é conectada à internet, para evitar fraudes. O sistema usa criptografia, um tipo de informação codificada que protege o voto e outros dados. Além disso, a Polícia Federal, a Ordem dos Advogados do Brasil, o Ministério Público e os partidos políticos podem acompanhar o desenvolvimento do sistema e inspecionar o código fonte. Outra forma que a Justiça Eleitoral tem de apresentar a segurança da urna eletrônica é a realização da votação paralela, no mesmo dia e horário do pleito, que pode ser acompanhada pelos mesmos órgãos já citados e por qualquer cidadão.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia