Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Edição impressa de 11/09/2018. Alterada em 11/09 às 01h00min

Hospital diz que Bolsonaro terá de fazer nova cirurgia

Agência O Globo
O candidato ao Planalto Jair Bolsonaro (PSL) terá que passar por uma nova cirurgia de grande porte para reconstruir o trânsito intestinal e retirar bolsa de colostomia, informou o boletim médico divulgado na manhã desta segunda-feira pelo Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Atingido por uma facada durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG), na quinta-feira, o candidato segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).
O boletim médico mais recente, divulgado ontem, às 19h, informa que Bolsonaro permaneceu nesta segunda-feira em condições estáveis. "O candidato realizou fisioterapia - caminhada e exercícios respiratórios - sem apresentar dor".
Ademais, o boletim afasta sinais de febre e infecção, destaca que Bolsonaro permanecerá em tratamento intensivo e terá de manter jejum oral (ele está sendo alimentado por soro direto na veia). O hospital acrescentou também que o tratamento cirúrgico para fechamento da colostomia será realizado no futuro em uma internação eletiva - sem estimar prazos.
Mais cedo, o hospital havia informado que o quadro de Bolsonaro "ainda é grave e permanece em terapia intensiva". A fala despertou a atenção de repórteres, já que destoava do otimismo de outros boletins divulgados no fim de semana, com favorável quadro de melhora do paciente. Questionada, a assessoria do hospital procurou a equipe médica, que explicou se tratar de um estado ainda grave diante do ferimento, mas que não representa regressão no quadro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia