Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 02 de setembro de 2018.
Dia do Repórter Fotográfico.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Edição impressa de 30/08/2018. Alterada em 30/08 às 01h00min

Legislativo solicita diálogo da prefeitura com municipários

A Câmara Municipal de Porto Alegre solicitou, oficialmente, que a prefeitura retome o diálogo com o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), há 31 dias em greve, deflagrada no dia 21 de julho.
A carta, que será entregue ao prefeito de Nelson Marchezan Júnior (PSDB) foi fruto de uma conversa das lideranças das bancadas do Legislativo com a direção do Simpa. O texto assinado pelo presidente da Casa, Valter Nagelstein (MDB), "solicita, independentemente do mérito de postulações das partes, a retomada de um canal de diálogo, ao que já se dispõe o Simpa, conforme compromisso assumido pelo sindicato junto à maioria das bancadas desta casa".
"Sabemos que se estabeleceu um clima de tensionamento que deve ser superado, pelo bem comum, sendo o diálogo uma das formas de desarmar os espíritos mais exaltados", continua a carta enviada.
Para Nagelstein, "têm problemas nos dois lados. Um é instigado politicamente a uma oposição quase cega, e há uma resposta do outro lado que também não nos pareceu adequada. O que estamos fazendo é chamar os dois lados à razão".
"Estamos pedindo que o parlamento cumpra com a sua função de ofício de distensionar este conflito existente entre os servidores, a cidade de Porto Alegre e o prefeito", colocou o diretor-geral do Simpa, Alberto Terres. "Isso, para nós, é fundamental vindo do Parlamento. Hoje, não existe nenhum diálogo conosco. O prefeito, através da página da prefeitura, agride os funcionários, chamando-os de criminosos", continuou Terres.
Segundo cálculos do Paço Municipal, desde o início da gestão Marchezan, já foram somados 74 dias de greve dos municipários e 125 atos de protesto contra a prefeitura. Em nota oficial, o governo diz que não há motivos para a greve, "a não ser eleitoral", e a chama de "paralisação sem sentido". A nota diz que já houve 53 reuniões entre prefeitura e servidores.
O texto termina dizendo que "essa greve insensata tem de terminar para o bem dos verdadeiros servidores públicos, para o bem do cidadão, para o bem de Porto Alegre".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Leonardo Gelpi Ruhe 01/09/2018 18h15min
Infelizmente, o prefeito mente. Este ano, o prefeito ainda não recebeu o sindicato, Em duas ocasiões, o SIMPA foi recebido pelo secretário, quando foi apresentada a reivindicação da reposição da inflação referente a 2016 e 2017 entre outras questões. De lá para cá, não houve diálogo o que, junto com o parcelamento de salários e precarização dos serviços levou a categoria à greve.