Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

15/08/2018 - 14h56min. Alterada em 15/08 às 14h56min

'Jogo está jogado' e Haddad é nome 'natural', diz Jaques Wagner

'Minha tese foi vencida até porque os fatos se sobrepuseram', disse Wagner

'Minha tese foi vencida até porque os fatos se sobrepuseram', disse Wagner


ANTONIO CRUZ/ABR/JC
Estadão Conteúdo
O ex-ministro Jaques Wagner, candidato a senador pelo PT da Bahia e apontado por setores do partido como possível substituto de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa presidencial, rejeitou nesta quarta-feira (15) a possibilidade de concorrer à Presidência e disse que o ex-prefeito Fernando Haddad é o nome "natural" para representar o PT, caso o ex-presidente seja impedido pela Justiça.
"Agradeço aos que torcem, mas sou daqueles que defenderam que a gente não deveria ter substituto do PT. Minha tese foi vencida até porque os fatos se sobrepuseram", disse Wagner. "Minha torcida é absoluta para que a gente consiga o registro dele (Lula) e, se não conseguir, me parece que o jogo está jogado. Se a Justiça interditar, o natural é o Haddad assumir", completou.
Wagner participou de um almoço com Haddad, governadores e lideranças petistas na sede do partido em Brasília. Antes do almoço, em conversa com jornalistas, o ex-ministro tentou corrigir uma declaração feita há dois dias na qual defendeu o direito de o ex-prefeito ser mais exposto pelo partido.
"Falei de expor Haddad como vice. Ele é vice. Vi alguém comentando que era ruim que ele circulasse. Ele foi colocado como vice para isso, para circular defendendo as ideias do programa de governo. Então não é expô-lo como candidato a presidente", disse Wagner.
Questionado sobre ter se referido a uma "estratégia de substituição", ele saiu em defesa de Lula. "Acabei de ler que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) liberou um deputado para registrar a candidatura. Então quer dizer que só vai valer para o Lula mesmo não poder registrar? Está ficando um negócio kafkiano", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia