Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Edição impressa de 26/07/2018. Alterada em 26/07 às 01h00min

Ana Amélia nega possibilidade de ser vice de Geraldo Alckmin

Com a negativa do empresário Josué Alencar (PR) em ser o vice do ex-governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) na corrida ao Planalto, um dos planos B cogitados para o posto era a senadora gaúcha Ana Amélia Lemos (PP). Porém, a parlamentar negou a possibilidade e disse que está focada em tentar a reeleição para o cargo. Ana Amélia é parte da chapa na qual o deputado federal Luis Carlos Heinze (PP) pleiteia o Palácio Piratini. Ontem, o presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, disse que ainda não há consenso entre os partidos do centrão (DEM, PP, PR, PRB e SD) sobre quem poderia assumir o posto de vice de Alckmin.
Ao sair de uma conversa com o ex-governador na manhã de ontem, em Brasília, Pereira disse ainda ter esperança de que o mineiro dê uma resposta positiva ao tucano e se declarou contra um nome do DEM para assumir o posto.
Ex-ministro da Educação de Michel Temer (MDB), o deputado Mendonça Filho (DEM-PE), também foi um dos cogitados como plano B. No entanto, o DEM quer o apoio de Alckmin para reconduzir Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara, caso ele consiga se reeleger deputado federal. "Só acho que não pode ser o DEM, porque aí seria muita coisa (para um mesmo partido)", disse Marcos Pereira. Por ora, Mendonça Filho trabalha para ser eleito senador.
O presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, apresentou o nome de seu atual pré-candidato ao Palácio do Planalto, Aldo Rebelo. Integrante do PCdoB durante anos, Rebelo - que foi ministro dos governos petistas de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma
Rousseff - enfrenta resistência de parte do PSDB, que o considera muito à esquerda.
Marcos Pereira disse ter conversado algumas vezes com o empresário mineiro na terça-feira, e Josué Gomes relatou resistência da mãe, Mariza Gomes, viúva do ex-vice-presidente José Alencar, morto em 2011. "Ele não quer desobedecer a mamãe", disse Pereira.
Alckmin indicou disposição de conversar com Mariza para tentar convencê-la. Em encontro com o tucano na segunda-feira para falar sobre sua disposição de compor a chapa para a sucessão de Michel Temer, Josué mostrou-se reticente. Afirmou que somaria pouco à campanha e deixou o tucano "à vontade" para escolher outro nome. Pessoas que conversaram com Josué Gomes na terça-feira também relataram pressão do PT.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Felipe Pansano 31/07/2018 23h03min
Eu voto a favor do Brasil eu voto em Geraldo Alckmin em 2018
Andre Fehrenbach 28/07/2018 18h01min
Alckmin tem uma carreira limpa na política tenho certeza que vai ter um Plano de Governo preparado o Brasiln
Marcia Candido 28/07/2018 09h41min
Alckmin sempre fez boas escolhas ao longo da sua vida pública, a escolha do vice não será diferente.