Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Notícia da edição impressa de 11/07/2018. Alterada em 11/07 às 01h00min

PGR concorda em prorrogar inquérito dos portos

A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta terça-feira, no qual concorda com o pedido da Polícia Federal (PF) pela prorrogação por 60 dias das investigações no âmbito do inquérito dos portos, que investiga o presidente da República, Michel Temer (MDB).
Ao final de junho, o ministro Luís Roberto Barroso tinha autorizado que a PF desse continuidade às investigações até que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, se manifestasse sobre a solicitação de prorrogação - a terceira neste inquérito. O manifestação da PGR está com a ministra Cármen Lúcia, presidente da corte, responsável por despachar sobre pedidos que chegam ao STF durante o recesso.
No despacho em que autorizou a prorrogação e solicitou à PGR para se posicionar sobre o pedido, Barroso descreve que as investigações contam com um "volume expressivo de providências já tomadas e um conjunto relevante de informações obtidas".
O inquérito investigava inicialmente, além de Temer, Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR), ex-assessor do presidente e ex-deputado federal; Antônio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita, respectivamente, dono e diretor da Rodrimar. Ao longo da apuração, entraram também na mira João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, amigo pessoal do presidente; e executivos do Grupo Libra. Todos negam envolvimento em irregularidades.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia