Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de julho de 2018.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

09/07/2018 - 22h04min. Alterada em 09/07 às 22h04min

Marun diz que houve uma 'situação esdrúxula' em torno da soltura de Lula

O ministro-chefe da secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que no domingo, 8, houve "uma situação esdrúxula" e que ficou perplexo com a guerra de decisões da Justiça, em relação à tentativa do desembargador de plantão no Tribunal Regional Federal (TRF-4), Rogério Favreto, de libertar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
"Penso que, se continuar essa liberdade criativa na interpretação da lei, vamos ver ainda muitos momentos difíceis e quase trágicos como o de ontem", declarou Marun nesta segunda-feira, 9, esclarecendo que falava como advogado e cidadão porque o governo "não tem posição, pois esta é questão afeta ao Poder Judiciário".
O petista continua preso e condenado a 12 anos e um mês de prisão. O presidente do TRF-4, Thompson Flores, impediu a soltura.
Segundo Marun, "quando começa-se a relativizar a necessidade do estrito cumprimento da lei, na tomada de decisões judiciais, começa-se a abrir espaço para situações esdrúxulas como aquela que vivemos". Ao comentar a decisão e falar sobre outros casos de descumprimento da lei, Marun fez um paralelo em relação à decisão de um juiz de Niterói que concedeu liminar impedindo a posse da deputada Cristiane Brasil, filha do presidente do PTB, Roberto Jefferson, que foi impedida de assumir o cargo de ministra do Trabalho, por uma liminar e também o fato de terem quebrado o sigilo bancário do presidente Michel Temer.
"E aí, nos deparamos com essa situação esdrúxula, de um juiz-desembargador-plantonista desconsiderar praticamente uma decisão colegiada, desconsiderar posição do relator, desconsiderar posições óbvias e dar guarida a um pedido de habeas corpus", disse ele.
"Por isso, eu defendo choque de legalidade. A saída, passa pelo mais absoluto respeito à lei, tanto pelos que têm de cumpri-la e pelos que têm de fazê-la cumprir. Não vejo outro caminho", desabafou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia