Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Notícia da edição impressa de 05/07/2018. Alterada em 04/07 às 22h40min

Bancada do PT votará contra proposta de atualização da planta de valores do IPTU

Vereadores petistas criticaram o pacote do Executivo municipal

Vereadores petistas criticaram o pacote do Executivo municipal


/LUIZA PRADO/JC
"Seremos contra a votação do IPTU." Essa foi uma das primeiras posições declaradas por Aldaci Oliboni, vereador de Porto Alegre, que abriu a coletiva de imprensa realizada pela bancada do PT na Câmara de Porto Alegre, juntamente com a executiva municipal do partido.
A coletiva convocada pela sigla visava anunciar a posição petista em relação ao pacote de projetos do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) que tramita no Legislativo. As declarações não fugiram à regra, e a bancada se manifestou contrária, em princípio, a todos os textos do Executivo.
"Esse conjunto de projetos tem alguns temas com que não podemos concordar de maneira nenhuma", destacou o presidente municipal do PT, Rodrigo Campos. Ele disse que as propostas vão "fazer com que o serviço público não seja atrativo" e destacou, como exemplo, a necessidade de bons professores em escolas municipais.
"Alguns projetos dá para se negociar", ponderou a nova líder da oposição na Câmara, Sofia Cavedon. "Como o do dia do pagamento dos servidores. Se ele acha muito ruim pagar até o último dia do mês, podemos conversar", exemplificou ela, mas prontamente visualizou o problema de que "o prefeito não negocia".
Em nota, Marchezan lamentou a posição da bancada e disse que ela "diverge de sua posição histórica. Votar contra o projeto do IPTU beneficiará os proprietários que hoje pagam valores irrisórios em relação às suas grandes propriedades e frustrará os que têm propriedade de menor valor".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia