Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de julho de 2018.
Dia do Operador de Telemarketing. Feriado nos EUA - Dia da Independência.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 04/07/2018. Alterada em 04/07 às 01h00min

Bretas reduz penas de Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo

O fato de o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) e da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo terem aberto mão voluntariamente de seus bens, avaliados em R$ 40 milhões, foi levado em conta pelo juiz Marcelo Bretas na hora da sentença da mesma fase da Operação Lava Jato em que o empresário Eike Batista foi condenado a 30 anos de prisão. O magistrado diminuiu as penas do casal. Entre os bens aos quais o casal renunciou está a mansão de Mangaratiba, avaliada em R$ 8 milhões.
No processo, Adriana foi condenada a uma pena total de 4 anos e seis meses por lavagem de dinheiro. No entanto, Bretas levou em conta o fato de ela ter renunciado ao patrimônio e retirou essa parte da condenação. Adriana, portanto, ficou apenas com a pena de corrupção passiva.
No caso de Cabral, a pena total foi de 22 anos e oito meses nesse processo. Foram 13 anos e 10 meses de reclusão por corrupção passiva e 4 anos e seis meses por evasão de divisas. Assim como para Adriana, a redução de pena para o ex-governador veio no crime de lavagem de dinheiro. A pena inicial para esse crime era de 6 anos e seis meses.
Ao levar a entrega do patrimônio em conta, o juiz aplicou uma redução parcial de 2/3 da pena, que caiu para 2 anos e dois meses nesse crime.
Na sentença, Bretas lembra que Cabral e Adriana não reconheceram ter praticado atos de corrupção, mas sim crimes de outra natureza, de lavagem de ativos, como os que foram tratados no processo em que houve a condenação.
O empresário Fernando Cavendish também já havia tido a pena reduzida pelo juiz Marcelo Bretas a 4 anos e dois meses de prisão no processo da Operação Saqueador. A pena de Cavendish foi atenuada pelo fato de ele ser réu confesso e ter oferecido mais de R$ 400 milhões à Justiça Federal como forma de reparar o dano.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia