Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de junho de 2018.
Dia da Telefonista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Notícia da edição impressa de 29/06/2018. Alterada em 29/06 às 01h00min

Movimento lança plataforma de prioridades para o Estado

Pré-candidato ao Palácio Piratini Eduardo Leite debateu plano de governo

Pré-candidato ao Palácio Piratini Eduardo Leite debateu plano de governo


MARIANA CARLESSO/JC
Uma agenda de necessidades para o Estado, formada a partir de cinco temas - saúde, educação, segurança pública, finanças e inovação e desenvolvimento -, é o resultado dos estudos desenvolvidos pelo Movimento Rumos, formado por fundações ligadas a quatro partidos políticos - PSDB, PTB, PPS e Podemos.
O resultado desses estudos foi apresentado em evento na noite desta quinta-feira e poderá embasar o plano de governo do pré-candidato ao Palácio Piratini Eduardo Leite (PSDB).
Agora, o material elaborado com mais de 200 propostas irá para uma plataforma on-line colaborativa e poderá receber contribuições da população. "Muito do que está na plataforma não vai, necessariamente, estar no plano de governo. Ali está o que veio de colaboração de técnicos, especialistas nos assuntos", explicou o tucano.
Leite defende que a apresentação das propostas de gestão aconteçam no período eleitoral. "A agenda tem que ser apresentada pelos candidatos, porque a eleição tem que ser a validação dessa agenda." Ele completa que "não dá mais para aceitar que o Estado tenha um governo que use o primeiro ano para aprender ou entender como funciona".
Foi o próprio tucano que apresentou o resultado do estudo, com o que identificaram como "lacunas" e as propostas elaboradas pelos grupos, de acordo com o grau de dificuldade para a implantação e o impacto social que podem ter.
Questionado se, estando disponível para acesso da comunidade, o material venha a ser usado por outras candidaturas, Leite diz que não entende isso como um problema. "A estratégia eleitoral é da forma como vamos nos apresentar para a população. Se, com as discussões que fizermos aqui, colaborar com outros candidatos, que bom. O Estado sai ganhando com isso", afirmou o pré-candidato.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia