Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo do Estado

Notícia da edição impressa de 27/06/2018. Alterada em 27/06 às 01h00min

Consulta Popular define prioridades dos gaúchos

Ocorre até amanhã a votação da Consulta Popular, promovida pelo Governo Estadual e que define as prioridades entre projetos das 28 regiões do Estado. Os cidadãos poderão escolher as prioridades regionais, definidas anteriormente em assembleias, que receberão investimento de R$ 80 milhões (33% a mais do valor destinado no ano passado, de R$ 60 milhões).

Cada um dos 28 Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes) homologou entre seis e 10 projetos considerados mais relevantes para as comunidades. Os que receberem mais votos terão as verbas destinadas para implantação. A votação pode ser feita pelo site www.consultapopular.rs.gov.br; pelo aplicativo de celular Facilita RS; por mensagem de texto no celular; ou presencialmente, em locais a serem definidos pelos Coredes.

Instituída em 1998, a Consulta Popular é um instrumento de participação da sociedade, que define parte dos investimentos que constarão no Orçamento do Estado. Anualmente, o governo fixa o valor que será submetido à deliberação da população. A quantia é distribuída entre as regiões de acordo com critérios como quantidade de habitantes e Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (Idese).

Em 2017, foram mais de 705 mil eleitores. Neste ano, a expectativa é que ultrapasse um milhão de votos. Após escolhidos os projetos, eles serão inclusos no Orçamento do Estado para 2019. O governo já pagou todos os projetos executados nos anos de 2016 e 2017. Os novos serão quitados até julho.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia