Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 20/06/2018. Alterada em 20/06 às 01h00min

Alckmin minimiza dificuldade de formar aliança

O pré-candidato do PSDB à presidência da República, Geraldo Alckmin, reiterou ontem que não conversa com o MDB sobre uma aliança no plano nacional neste momento, uma vez que o partido tem candidatura própria, a do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles.

O tucano também minimizou a dificuldade em fechar alianças e lembrou que nenhum outro pré-candidato fez as parcerias ainda.

"Nós já temos aliança encaminhada com quatro partidos. Agora, com o MDB não tem conversa, porque eles têm candidato", afirmou o ex-governador de São Paulo, que concedeu entrevista pela manhã à rádio Jovem Pan. "O fato é que, por causa das mudanças eleitorais, as decisões de aliança e de vice, que eram sempre em junho, agora serão no final de julho ou no início de agosto", resumiu.

Alckmin evitou comentar sobre se a baixíssima popularidade do presidente Michel Temer (MDB) não seria "tóxica" para a sua campanha, mas ressaltou a importância de estabelecer pontes e canais de diálogo.

O ex-governador ainda elogiou o trabalho que dois tucanos - o ex-governador de Goiás Marconi Perillo e o ex-presidente Fernando Henrique Cardosos - têm feito por sua campanha.

Geraldo Alckmin também procurou desfazer a polêmica criada após ter chamado o Temer de "ilegítimo", dizendo que foi mal entendido.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia