Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 19 de junho de 2018.
Dia do Cinema Brasileiro.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 19/06 às 13h59min

Em vídeo, Gleisi afirma que denúncia no STF é perseguição contra PT

No dia em que a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) julga a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo e o empresário Ernesto Kugler, a parlamentar divulgou um vídeo para se defender das acusações. Ela classificou a denúncia como "mais um capítulo" de uma perseguição da Lava Jato contra o PT e contra a tentativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na operação, ser candidato ao Palácio do Planalto. A parlamentar ainda citou que há "danos irreparáveis" à sua imagem e à família.
De acordo com a denúncia que será julgada no STF, o trio recebeu R$ 1 milhão do esquema de corrupção instalado na Petrobras. Os recursos teriam sido direcionados para a campanha de Gleisi ao Senado, em 2010. No vídeo, a presidente do PT classifica a denúncia como "absurda" e uma "história sem pé nem cabeça".
Segundo ela, a acusação faz parte de uma "tentativa da Lava Jato" de atacar o PT. "Hoje eu sou alvo e tenho certeza que é por eu ser presidente do Partido dos Trabalhadores e por defender o presidente Lula e a sua candidatura pelo bem do Brasil", diz Gleisi. Quando a denúncia foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República, em maio de 2016, no entanto, a senadora ainda não era presidente do partido.
Ao se defender das acusações, a dirigente petista diz que os investigadores "fizeram e refizeram" delações e "foram ajeitando até formar um roteiro" contra ela. Ela falou que nunca conheceu o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e nem o doleiro Alberto Youssef, que fizeram delação premiada e a citaram.
A petista se defende dizendo que, em 2010, não tinha função pública e não poderia utilizar nenhum cargo público para beneficiar empresas no governo. Ela ainda alega que sua campanha ao Senado foi superavitária e teve as contas aprovadas na Justiça Eleitoral.
Gleisi aponta que Antônio Pieruccini, outro delator, e Youssef têm o mesmo advogado, "o tal Figueiredo Basto", que, segundo ela, teria sido assessor do governo do PSDB no Paraná e mantido "relação estreita" com o juiz federal Sérgio Moro.
A senadora diz que ela e sua família vivem "sob o peso de acusações falsas" e que o dano não pode ser reparado. "Nada vai reparar o sofrimento da minha família, dos meus companheiros, de amigos, os danos da minha imagem pública e política. Mas agora o STF vai ter a oportunidade de examinar a minha defesa ... fazendo prevalecer a verdade e a Justiça".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia