Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de junho de 2018.
Dia do Turismo / Turista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Direitos Humanos

13/06/2018 - 15h20min. Alterada em 13/06 às 15h21min

Família de Marielle relata angústia com falta de informações da polícia

Polícia investiga participação de milicianos no caso, mas não vem divulgando os passos do inquérito

Polícia investiga participação de milicianos no caso, mas não vem divulgando os passos do inquérito


Tânia Rego/ Agência Brasil/JC
Num ato realizado pela Anistia Internacional na porta do prédio do Ministério Publico, no centro do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (13), para marcar os três meses do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), o pai dela, Antonio Francisco Silva, se disse angustiado com a falta de informações sobre as investigações.
A vereadora, quinta mais votada do Rio em 2016, foi morta a tiros de submetralhadora em seu carro, no Estácio, zona central da cidade, em 14 de março. O motorista dela, Anderson Gomes, também foi vitimado pelo ataque. "Queremos uma resposta à altura do crime. O silêncio nos deixa muito angustiado. O delegado diz ser necessário. É ineficiência da polícia? Todas as informações que recebemos são através da imprensa", lamentou o pai.
Marielle era defensora dos direitos humanos, com foco principalmente em mulheres e populações faveladas. A polícia investiga a participação de milicianos no caso, mas não vem divulgando os passos do inquérito.
A família de Marielle e representantes da Anistia foram recebidos pelo procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussen, que reafirmou o compromisso da instituição na elucidação dos homicídios. "É importante chegarmos aos verdadeiros culpados. É óbvio que uma investigação dessa complexidade leva um tempo significativo. Ela era a maior representante dos direitos humanos hoje em dia. Três, quatro, cinco meses... Não queremos encontrar qualquer culpado", declarou Gussen.
"Estamos confiantes, não estamos sozinhos. Quando agrega uma instituição a mais, nos fortalece. Com Copa (do mundo) ou sem Copa, não vamos deixar o crime ser esquecido. Aquele é sangue meu, vou reivindicar", disse a mãe de Marielle, Marinete Silva. "A gente não pode deixar com que a Copa ou outros fatos façam com que o caso perca força. Foi um crime político, contra a nossa democracia. Não pode ser mais um caso", afirmou a mulher da vereadora, Mônica Benício.
A Anistia cobrou a convocação de uma força-tarefa do MP para o caso e um posicionamento da Secretaria de Estado da Segurança sobre o empenho nas investigações. A secretaria informou nesta quarta-feira que não daria informações à imprensa sobre a apuração.
Uma testemunha (um ex-PM preso por outros crimes) relatou que a execução foi encomendada pelo vereador Marcello Siciliano (PHS). Ele teria envolvimento com milícias da zona oeste. Com suas ações políticas, Marielle teria "atrapalhado" a atuação do grupo em favelas da região. O vereador nega envolvimento.
Em entrevista na manhã desta quarta-feira à rádio CBN, o ministro extraordinário da Segurança, Raul Jungmann, afirmou que o assassinato de Marielle e Anderson está levando aproximadamente o mesmo tempo para ser solucionado que outros crimes de grande repercussão no Rio, como o desaparecimento do pedreiro Amarildo, na Rocinha, em 2013, e a execução da juíza Patrícia Acioli, em Niterói, em 2014. 
"Eu tenho como parâmetro o caso do Amarildo, que levou aproximadamente de 90 a cem dias, se não me falha a memória, e o caso da Patrícia Acioli. (Esses casos) foram desvendados pela mesma equipe que está investigando o caso da Marielle", afirmou.
O ministro afirmou que a mobilização para a solução do caso é intensa. "A Polícia Federal está colaborando intensamente, todas as outras áreas de inteligência (também estão colaborando) para que se possa construir provas e chegar até o executante e também até o mandante desse crime", disse. "É do interesse de todos que seja esclarecido."
Jungmann lembrou, no entanto, que um complicador no caso das mortes de Marielle e Anderson é que a motivação do crime é desconhecida: "O que acontece é que esse é um crime de desvendamento complexo. Pelo menos até onde eu saiba, e eu devo voltar ao Rio esta semana, não se tinha informação do móvito. Qual foi a ameaça? Qual foi o conflito em que Marielle se envolveu para que acontecesse essa tragédia que aconteceu com ela?"
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia