Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de junho de 2018.
Dia do Citricultor.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

STF

Alterada em 08/06 às 12h43min

Fachin rejeita mais um habeas corpus de ex-ministro Antonio Palocci

Para o magistrado, há risco de que Palocci continue a cometer crimes ou atrapalhe as investigações

Para o magistrado, há risco de que Palocci continue a cometer crimes ou atrapalhe as investigações


HEULER ANDREY/AFP/JC
Agência Brasil
O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou mais um habeas corpus do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, preso há mais de dois anos no Paraná.
Palocci foi preso preventivamente em 26 de setembro de 2016 e continua na cadeia por determinação do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba. Para o magistrado, há risco de que o ex-ministro continue a cometer crimes ou atrapalhe as investigações de sua participação em desvios na Petrobras.
No pedido de liberdade mais recente ao STF, a defesa afirmou que considerar que Palocci continuará a delinquir é "mera suposição" e salientou que ele não ocupa mais cargos públicos, não tendo mais condições de atuar contra as investigações.
Fachin, porém, não entrou no mérito das razões para a prisão do ex-ministro, negando seguimento ao habeas corpus. Ele ressaltou que o plenário do STF já negou o pedido de liberdade de Palocci, em 12 de abril, e que não há argumentações da defesa capazes de justificar nova análise.
Para o ministro, "o Tribunal Pleno efetiva e substancialmente debruçou-se sobre as teses articuladas pela defesa".
O advogado Alessandro Silverio, que representa Palocci no STF, disse que entrará com um agravo regimental contra a decisão de Fachin, o que pode levar a Segunda Turma a voltar a discutir a prisão do ex-ministro.
Em paralelo, Palocci tenta emplacar um acordo de colaboração premiada, no qual revelaria diferentes negociatas entre empresários e o governo quando era ministro da Fazenda. Uma possível delação, entretanto, ainda não foi homologada pela Justiça.
O ex-ministro já foi condenado por Moro a 12 anos e 2 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele apelou à segunda instância, mas o processo ainda não foi julgado.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia