Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de janeiro de 2022.
Porto Alegre,
sexta-feira, 14 de janeiro de 2022.

Opinião

Compartilhar

ARTIGOS

- Publicada em 03h00min, 14/01/2022.

Compra de vagas em creches: um avanço

Rodrigo Lorenzoni

A prefeitura de Porto Alegre publicou recentemente edital para credenciar instituições privadas de ensino, com objetivo de garantir vagas em creches para alunos carentes não atendidos pelas escolas municipais e comunitárias da Capital.

A prefeitura de Porto Alegre publicou recentemente edital para credenciar instituições privadas de ensino, com objetivo de garantir vagas em creches para alunos carentes não atendidos pelas escolas municipais e comunitárias da Capital.

A decisão deve ser celebrada por diversas razões. A educação básica de qualidade é a estrutura necessária para construirmos uma sociedade livre, em que homens e mulheres tenham condições de formar conhecimento, desenvolverem-se e, assim, buscarem sua felicidade.

Vivemos hoje no Brasil, no entanto, uma distorção, que canaliza o dinheiro público para o ensino superior em detrimento ao básico. Relatório de 2018 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) revela que o Brasil gasta 3,7 vezes mais com o aluno do ensino superior - a maior diferença entre todos os países analisados.

Atualmente, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Educação, cerca de 4 mil crianças, de zero a três anos e 11 meses, aguardam por uma vaga em Porto Alegre. Para atender as metas do Plano Nacional de Educação, a cidade precisa oferecer atendimento a pelo menos 50% das crianças nessa faixa etária, até 2024.

Serão contempladas crianças em vulnerabilidade econômica que, entre outros critérios, precisam viver em famílias com renda inferior a três salários mínimos nacionais.

O movimento de Porto Alegre também rompe com uma lógica falaciosa bastante comum no Brasil: a de que o Estado, por ser responsável por garantir serviços básicos à população, é também incumbido de administrá-los. Esse raciocínio nos levou a ter uma máquina pública inchada, lenta e incapaz de dar retorno ao cidadão na proporção ao imposto pago por este.

Sim, é dever do poder público prover educação à população que não tem condições de pagar pelo serviço. Mas isso não significa que o Estado seja responsável por gerenciar instituições de ensino. Deixemos a construção de escolas, a contratação de professores, a compra de itens diários e todas as demais tarefas que componham o dia a dia escolar a cargo de quem está habilitado para isso.

O movimento de Porto Alegre, portanto, acontece em direção à modernização do aparato estatal e à inclusão social. Ganham todos: as famílias que serão assistidas, os pequenos que terão educação e, consequentemente, a nossa sociedade.

Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Porto Alegre

Força e fé em 2022

Jocelin Azambuja 

O fim de ano foi momento especial de reflexões em nossas vidas, quando paramos para avaliar o que passou e pensar no que virá.

Hora de avaliar nossas alegrias e tristezas, nossas venturas e desventuras, momentos especiais ou não, enfim, de fazer o balanço do passado, de nossa vida pessoal e comunitária, e projetar o futuro.

O nosso lado pessoal, o coração, a família e amizades. Aquele das dificuldades mais fortes vividas em meio à pandemia, que acabaram afetando todos os nossos sentimentos e emoções. No comunitário, em nossas relações com nossas cidades, estados e País.

Vimos, tristemente, nossos estudantes perderem dois anos de suas vidas escolares e nossa educação, que já era sofrível, afundar mais ainda, responsabilidade que atribuo a governadores e prefeitos que adotaram a política do "fique em casa", assim como o nosso judiciário, com processos andando a 10 por hora, em trabalho remoto, como se tudo pudesse parar por causa de uma doença.

Enquanto pararam alguns setores privilegiados, outros nos salvaram, como os da saúde, indústria, campo, e tantos outros. Esses salvaram parte de nossa economia e vidas.

Estou em Londres, com familiares que aqui residem, e conversei com estudantes que, durante os últimos dois anos, pararam somente cerca de três meses, e, nos demais períodos, tiveram aulas presenciais normais. A vida segue, já estão na quarta onda da pandemia, alguns cuidados, mas a cidade e o país estão em movimento constante.

Precisamos de força e fé em 2022, para acreditarmos que vamos vencer a luta, que perderemos alguns, mas, no final, venceremos a doença, como tem sido assim ao longo da história.

Ninguém é imortal e o passado, tenho certeza, fortalecerá nosso futuro. Vamos acreditar no amanhã, perder os medos e ter forças para vencer.

Temos outras pandemias para resolver como a da corrupção, da falta de ética, dos resgates morais e cristãos de nossa sociedade. Temos que vencer a inflação e produzir para a recuperação de nossa economia pós-Covid, que afetou todos os países e suas estruturas financeiras e sociais.

Nosso povo está totalmente vacinado em cerca de 70%, uma das melhores vacinações do mundo, ficar em casa, por quê?

Não nos abatamos, 2022 será um ano muito melhor, acreditemos no futuro, vamos em frente sem medo.

Advogado

Comentários CORRIGIR TEXTO