Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de julho de 2021.
Porto Alegre,
quinta-feira, 22 de julho de 2021.

Opinião

Compartilhar

Artigo

- Publicada em 21h00min, 21/07/2021.

"Simões & Cia.: os 120 anos do cigarro Marca Diabo"

Beatriz Araujo
A Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), por meio da Biblioteca Pública do Estado (BPE), abrirá ao público, em caráter presencial, a exposição "Simões & Cia.: os 120 anos do cigarro Marca Diabo". A mostra estará em cartaz de 27 de julho a 27 de agosto, de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h, na Biblioteca Pública. Para garantir visitação segura e tranquila, estão sendo seguidos todos os protocolos preconizados pelas autoridades sanitárias e pelo governo do Estado.
A Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), por meio da Biblioteca Pública do Estado (BPE), abrirá ao público, em caráter presencial, a exposição "Simões & Cia.: os 120 anos do cigarro Marca Diabo". A mostra estará em cartaz de 27 de julho a 27 de agosto, de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h, na Biblioteca Pública. Para garantir visitação segura e tranquila, estão sendo seguidos todos os protocolos preconizados pelas autoridades sanitárias e pelo governo do Estado.
Com curadoria da pesquisadora e servidora da Sedac, Cláudia Antunes, e videodocumentário do artista visual pelotense, Emerson Ferreira, a exposição tem como objetivo contar a história da fábrica de fumos criada por João Simões Lopes Neto, em Pelotas, em 1901. O cigarro, que agora completa 120 anos, entrou para o folclore do escritor e faz parte do imaginário rio-grandense.
Ações como essa demonstram a importância da preservação de documentos em acervos públicos e privados, para que os pesquisadores encontrem fontes primárias que, normalmente, não estão acessíveis. Dessa maneira, é possível gerar novas hipóteses de estudo para construir narrativas que contribuam com a cultura e com a preservação da nossa memória.
Simões Lopes Neto nasceu em Pelotas, em 1865. Até sua morte, em 1916, desenvolveu inúmeras atividades. Foi jornalista, teatrólogo, comerciante, despachante, empresário, vereador e diretor de várias entidades públicas e privadas. Somente nos últimos anos de vida dedicou-se à escrita literária, entrando definitivamente para o rol de grandes nomes da literatura. Foi um homem de muitos talentos, extremamente informado e atuante no seu tempo. É representante de uma época em que ser cidadão significava participar das decisões de corpo e alma e, muitas vezes, utilizando os próprios recursos em prol do progresso.
Com apoio e incentivo irrestritos do governador Eduardo Leite - outro pelotense progressista e entusiasta da Cultura -, a Sedac vem desenvolvendo uma série de ações para garantir que o patrimônio e a história do Rio Grande do Sul sejam reconhecidos por todos. A exposição, que apresenta um pouco da trajetória de Simões Lopes, é mais uma iniciativa de valorização da nossa cultura.
Secretária estadual da Cultura do Rio Grande do Sul
Comentários CORRIGIR TEXTO