Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de maio de 2021.
Porto Alegre,
terça-feira, 11 de maio de 2021.

Opinião

Compartilhar

artigo

- Publicada em 03h00min, 11/05/2021.

Impactos da privatização do Banrisul

Zé Nunes
O governo do Estado segue com seu plano de acabar com o maquinário público, vendeu a CEEE-D e se aproxima de Procergs, Corsan e Banrisul. A PEC 280, de origem da base aliada, quer acabar com o plebiscito para privatizações. Com o Banrisul, por exemplo, traria impactos seríssimos à população gaúcha.
O governo do Estado segue com seu plano de acabar com o maquinário público, vendeu a CEEE-D e se aproxima de Procergs, Corsan e Banrisul. A PEC 280, de origem da base aliada, quer acabar com o plebiscito para privatizações. Com o Banrisul, por exemplo, traria impactos seríssimos à população gaúcha.
O banco sendo público, permite que a ferramenta esteja próxima à administração, sendo possível a operação de políticas públicas que impactam a vida de milhares de gaúchos, contribuindo para o desenvolvimento, como por exemplo linhas de microcrédito com condições favoráveis, dinamizando o comércio.
O Banrisul é um banco regional. Possui agências em quase todos os municípios do Rio Grande do Sul e, em muitos, é a única agência bancária. Isso lhe dá capilaridade, inteligência do sistema produtivo e capacidade de investir nas potencialidades regionais. A privatização do Banrisul acaba com isso.
O Banrisul é um banco lucrativo, e muito. Ano passado, apresentou um lucro líquido de R$ 824 milhões. Esqueça aquele discurso de o Estado deixar de gastar com empresas para gastar em saúde e educação. O Banrisul é quem financia o Estado, a saúde e a educação. Um exemplo é o caso da governadora Yeda Crusius (PSDB, 2007-2010), que vendeu as ações do Banrisul. Desde lá, o Estado deixou de receber mais recursos de dividendos destas ações do que o valor da sua venda. A venda das ações do Banrisul não aliviou a crise do Estado, a agravou, pois ficou sem o patrimônio e sem a renda.
A crise gaúcha está em outros lugares. O acordo desastroso da dívida feita entre Antonio Britto e FHC e a enorme isenção fiscal a grandes empresas para citar alguns. Sem atacar estes problemas de fundo, Eduardo Leite (PSDB) vende patrimônio para custear o dia a dia, desta vez atacando o imponente banco de 93 anos que ajudou a construir o Rio Grande. Não podemos deixar que esta tragédia aconteça por governantes sem capacidade de enfrentar os problemas verdadeiros.
Deputado estadual (PT), presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Banrisul Público
 
Comentários CORRIGIR TEXTO