Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de março de 2021.
Dia do Turismo Ecológico.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 01 de março de 2021.

Opinião

Compartilhar

ARTIGO

- Publicada em 03h00min, 01/03/2021.

Brasil precisa de mais ecoparques

Mario William Esper
O descarte do lixo em locais inadequados é apenas o começo de um dos maiores problemas ambientais do mundo. De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o Brasil gerou 79 milhões de toneladas de lixo em 2020, sendo 6,3 milhões abandonados no meio ambiente, 29 milhões jogados em lixões e aterros controlados e 43 milhões para aterros sanitários, com consequências danosas para o ambiente e para a sociedade. A decomposição dos resíduos descartados produz o chorume, que causa a poluição do solo e das águas subterrâneas, e o biogás, rico em metano, que contribui para o desequilíbrio do efeito estufa. Já a remoção da vegetação afasta animais silvestres e atrai animais e insetos transmissores de doenças. E cai a qualidade de vida das pessoas que vivem no entorno além de atrair catadores que trabalham em condições precárias e insalubres.
O descarte do lixo em locais inadequados é apenas o começo de um dos maiores problemas ambientais do mundo. De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o Brasil gerou 79 milhões de toneladas de lixo em 2020, sendo 6,3 milhões abandonados no meio ambiente, 29 milhões jogados em lixões e aterros controlados e 43 milhões para aterros sanitários, com consequências danosas para o ambiente e para a sociedade. A decomposição dos resíduos descartados produz o chorume, que causa a poluição do solo e das águas subterrâneas, e o biogás, rico em metano, que contribui para o desequilíbrio do efeito estufa. Já a remoção da vegetação afasta animais silvestres e atrai animais e insetos transmissores de doenças. E cai a qualidade de vida das pessoas que vivem no entorno além de atrair catadores que trabalham em condições precárias e insalubres.
A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) foi sancionada em 2010 e trouxe metas importantes impactando os índices de coleta regular, coleta seletiva, reciclagem e destinação adequada dos Resíduos Sólidos Urbanos, mas os números estão abaixo do ideal e do necessário para agregar melhoria de vida para a população.
Já existem maneiras mais eficientes de tratar o lixo, por meio da reciclagem ou reúso, em linha com a economia circular, que propõe o uso racional dos recursos, onde os resíduos de um setor são reaproveitados por outros como matéria-prima.
A criação de ecoparques é uma alternativa para evoluirmos na quantidade de lixo reciclado. Nestas instalações o lixo é separado, processado e transformado em produtos como recicláveis secos, resíduo para aproveitamento energético, composto, biogás/biometano e energia elétrica. O Brasil precisa evoluir na criação de ecoparques para reduzir a destinação final inadequada, como já aconteceu em diversos países na Europa.
Estamos trabalhando com a Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema) na elaboração de normas dos ecoparques e as etapas do processo de transformação do resíduo, desde o ponto de coleta até a entrega do produto final para uso do consumidor.
Somente a regulamentação e a transparência das etapas dos processos relacionados poderão facilitar a estruturação deste modelo de negócios, trazendo segurança jurídica para que o mercado possa investir na criação de ecoparques.
Presidente da Associação Brasileira de Normas Técnicas
 
Comentários CORRIGIR TEXTO