Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 27 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 27 de dezembro de 2020.

Opinião

Compartilhar

Artigo

- Publicada em 14h49min, 27/12/2020. Atualizada em 14h54min, 27/12/2020.

Desafios e novos hábitos neste final de ano

Lourdes Sprenger
Estamos no período das festas de final de ano e precisamos nos reinventar, saudar a vida neste período de perdas de familiares e amigos, ceifados pela Covid-19, de recuperação daqueles que passaram pelos leitos hospitalares e destacar a dedicação dos profissionais da saúde.
Estamos no período das festas de final de ano e precisamos nos reinventar, saudar a vida neste período de perdas de familiares e amigos, ceifados pela Covid-19, de recuperação daqueles que passaram pelos leitos hospitalares e destacar a dedicação dos profissionais da saúde.
Observa-se que ainda persistem os espetáculos perigosos de fogos de artifício obsoletos, que colocam em risco vidas, mutilações graves e perturbações de pessoas doentes e dos animais.
O uso inadequado dos explosivos pode produzir lesões, cortes e até amputação de membros. Na emergência dos hospitais, há registros de queimaduras, traumas ortopédicos, comprometimento das córneas, perda de visão, lesões auditivas e óbitos.
Sem falar no custo para a saúde pública. As queimaduras e as mutilações ainda causam vários problemas sociais e financeiros relativos ao trabalho: afastamentos, reabilitações e aposentadorias precoces.
Este ano, continuam os riscos aos animais, das queimas de fogos de artifício causadores de traumas, fugas desesperadas, pulando muros. Acorrentados, podem se enforcar. Os de rua atravessam vias, provocam acidentes, entre outras ocorrências.
E somam-se a estes riscos de final de ano, os cuidados com a saúde dos mascotes pelos novos hábitos dos tutores, na pandemia, permanecendo mais tempo em casa ou em casos de adoecerem, por desinformação, cometem atos criminosos como abandonar aqueles que sempre estiveram ao seu lado e que não sabem sobreviver nas ruas.
Crimes por abandonos e suas consequências ao animal, podem gerar pena de reclusão (regime fechado), de acordo com a nova lei federal que enquadra-se em maus-tratos aos animais.
Podemos conviver em harmonia e, aproveitando as situações positivas que a tecnologia nos oferece, nos reinventando pela telinha, aproximando familiares e amigos, apoiando outras alternativas para dar brilho às comemorações de um Natal em paz e harmonia, recebendo o Novo Ano com esperança, alegrias e seguindo o protocolo da saúde.
Vereadora de Porto Alegre eleita pela Causa Animal no RS (MDB)
Comentários CORRIGIR TEXTO