Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 15 de setembro de 2020.
Dia do Cliente.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 15 de setembro de 2020.

Opinião

Compartilhar

artigo

- Publicada em 16h08min, 15/09/2020.

O Interior é o exterior da Capital

Cado Bottega
“Nossa cidade é tão pequena e tão ingênua. Estamos longe demais das capitais” (Humberto Gessinger)
“Nossa cidade é tão pequena e tão ingênua. Estamos longe demais das capitais” (Humberto Gessinger)
Nem tão pequena, nem tão ingênua. Não mais. Mas durante muito tempo existiu um certo fascínio do Interior pela Capital, algo cultural que ficou de herança de gerações passadas que acreditavam que “as coisas” demoravam a chegar. As grandes lojas estavam na Capital, as escadas rolantes, os melhores shows, as peças de teatro, o aeroporto internacional, os restaurantes da moda e as agências de propaganda bem sucedidas. Existem conceitos variados sobre o que é interior. Oficialmente, nos órgãos federais, imprensa e universidades, o termo interior se refere ao local que não é a capital e nem as cidades adjacentes a ela.
E pensar que, hoje, esse Interior está a um click de Nova Iorque, Londres, Amsterdam, Paris e a um touch de Berlim, Croácia, Sidney, Montreal.
Fronteiras cairam, limites geográficos sumiram, distâncias foram pulverizadas em um mundo globalizado e escancarado para quem quiser visitá-lo. A pandemia da Covid-19 acelerou ainda mais esse processo, fazendo com que pessoas, negócios, causas e clientes tivessem que se reiventar rapidamente e se adequar às novas regras ditadas pelo isolamento.
Agora, enveredando para o segmento da propaganda, segundo dados da Federação Nacional das Agências de Propaganda, o Rio Grande do Sul (Fenapro) tem mais de 1.500 CNPJ’s de agências de propaganda, o Interior do Estado corresponde a dois terços deste número e com os mais variados formatos: “eugências", houses e agências com estruturas maiores.
A Associação Riograndense de Propaganda (ARP) passou uma missão para cada um de seus vice-presidentes, a que me coube foi a de interiorizar a entidade. Desafio aceito comecei a me questionar como ainda ser atraente para este “Interior” tão conectado com tudo? Como ser relevante para quem tem acesso a tudo que está acontecendo real time? Como ser referência se há milhares delas para poder escolher?
Mas e É uma troca. Uma troca onde todos aprendem, onde todos saem ganhando e onde o local é o que menos importa. Aguardem. Nós, da Capital, estamos indo ao nosso encontro.
Publicitário, vice-presidente de Interiorização da ARP
Comentários CORRIGIR TEXTO