Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de agosto de 2020.
Dia Nacional da Saúde/ Farmácia .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 05 de agosto de 2020.

Opinião

Compartilhar

artigo

- Publicada em 03h00min, 05/08/2020.

Ética pública na pandemia

Julio Dorneles
Sei muito bem que essa é uma reflexão que muitos vão julgar desnecessária, contudo, penso ser ela urgente. O mundo está na expectativa de que se tenha uma vacina eficaz, pois sequer se tem uma medicação ou um coquetel de medicamentos que sejam plenamente eficazes no controle da doença Covid-19. Doença essa inicialmente vista por dirigentes nacionais como Trump (EUA) e Bolsonaro (Brasil) como uma "gripezinha" que somente mataria os mais fracos.
Sei muito bem que essa é uma reflexão que muitos vão julgar desnecessária, contudo, penso ser ela urgente. O mundo está na expectativa de que se tenha uma vacina eficaz, pois sequer se tem uma medicação ou um coquetel de medicamentos que sejam plenamente eficazes no controle da doença Covid-19. Doença essa inicialmente vista por dirigentes nacionais como Trump (EUA) e Bolsonaro (Brasil) como uma "gripezinha" que somente mataria os mais fracos.
Há grandes possibilidades, segundo indicam os estudos mais recentes, de que em breve teremos acesso a uma vacina eficaz. Mas e se isso não ocorrer? Ou se depois de termos uma vacina ocorresse uma nova onda de contágios por um novo vírus ou mesmo por uma mutação desconhecida do Coronavírus? O que mudaríamos na nossa conduta pública? Ou, o que mudaria na conduta dos governantes que até aqui têm negado ou minimizado os riscos da pandemia?
Quando observamos as condutas manifestadas ao longo da pandemia, como exemplos, dos presidentes do Uruguai e da Argentina em contraste com o presidente brasileiro. Podem ser vistas dois tipos de condutas muito distintas. A dos hermanos, revestidos de uma ética pública, de uma preocupação com o coletivo, com a nação, com o ser exemplo de conduta para seus comandados. Já no campo oposto houve todo tipo de mau exemplo, de uma conduta que expressa um desrespeito pela liturgia do cargo, a adesão por convicções pessoais a certo negacionismo e a prática recorrente de condutas que promovem a difusão do vírus: o não uso de máscaras, o não respeitar o distanciamento e a promoção de aglomerações. Isso tudo sem falarmos em um presidente atuar como garoto-propaganda de uma medicação, como se fosse papel de um presidente orientar tratamento ou prescrever medicação.
Vale referir que tanto no Uruguai como na Argentina, desde março, toda as campanhas de divulgação das condutas de enfrentamento da Covid-19 em todos os meios de comunicação, inclusive nas redes sociais, são lideradas pela instituição "Presidência da República". De forma unívoca, cidadãos uruguaios e argentinos foram orientados por diretrizes sanitárias claras desde o começo da pandemia. Os resultados em termos de contágios e mortes são igualmente distintos quando comparamos nossos "hermanos" com os resultados da pandemia no Brasil.
Mestre em desenvolvimento regional
 
Comentários CORRIGIR TEXTO