Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, terça-feira, 24 de março de 2020.

Opinião

CORRIGIR

Artigos

Edição impressa de 24/03/2020. Alterada em 24/03 às 03h00min

Garantir alimento é fundamental à população

Odacir Klein
O poder público, em suas diversas esferas, vem tomando medidas para evitar que a pandemia do coronavírus assuma proporções gigantescas e incontroláveis no Brasil. É fundamental que todos ajudemos, cada um abrindo mão de parcela dos seus espaços e, mesmo não podendo efetivamente apertar as mãos, simbolicamente as estendamos aos nossos semelhantes, para que o objetivo seja atingido. É necessário que haja tomada de medidas, evitando processos de difusão dessa pandemia.
O poder público, em suas diversas esferas, vem tomando medidas para evitar que a pandemia do coronavírus assuma proporções gigantescas e incontroláveis no Brasil. É fundamental que todos ajudemos, cada um abrindo mão de parcela dos seus espaços e, mesmo não podendo efetivamente apertar as mãos, simbolicamente as estendamos aos nossos semelhantes, para que o objetivo seja atingido. É necessário que haja tomada de medidas, evitando processos de difusão dessa pandemia.
De outra parte, é necessário que a população tenha garantia de alimento. Se tivermos uma crise no fornecimento de proteínas, de vitaminas, dos produtos necessários à alimentação humana, as consequências talvez sejam tão desastrosas quanto as resultantes do coronavírus na saúde humana. Por isso, é muito importante que as normas a serem adotadas para controle e circulação de pessoas e referentes aos cuidados higiênicos não dificultem a produção e circulação de alimentos, desde os cuidados nas lavouras e nos processos industriais à comercialização, à facilidade logística, para que nossa população possa estar devidamente alimentada.
É preciso ter firmeza, determinação, tomadas de posições com vistas à saúde humana e ao combate ao coronavírus, mas, ao mesmo tempo, é preciso que as normas, com responsabilidade, não dificultem o acesso da população à produção e circulação dos gêneros alimentícios.
Além dos fornecimentos dos remédios, é muito importante também que haja o abastecimento alimentar. É preciso que todos estejamos em sintonia, debatendo, buscando soluções e nos preparando para vencer essa dificuldade sanitária e que tenhamos a possibilidade de dela sairmos, com a população em condições de enfrentar os rescaldos econômicos e sociais decorrentes desse período.
Convém ressaltar que está havendo perfeita interação, tanto na área federal como no Rio Grande do Sul, entre o poder público e as entidades representativas das empresas e dos produtores de alimentos.
Essa interação vem concorrendo para que, até este momento, fora os percalços normais, não estejam ocorrendo dificuldades maiores para a produção e circulação dos bens destinadas à alimentação humana.
Com diálogo, compreensão e responsabilidade, não há dúvidas de que a produção e circulação de alimentos poderão ser garantidos.
Advogado, integrante do Instituto de Pesquisa Gianelli Martins
 
CORRIGIR