Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, terça-feira, 24 de março de 2020.

Opinião

CORRIGIR

Editorial

Edição impressa de 24/03/2020. Alterada em 24/03 às 03h00min

O papel da imprensa e a orientação no atual momento

Em meio à paralisação do comércio em geral e boa parte da indústria, salvo as frentes de primeira necessidade, com o maior aconselhamento sendo a permanência domiciliar, a informação correta tem sido aquela fornecida pela mídia em geral, salientando-se jornais, incluindo ainda sites, rádios e tevês. É um serviço de utilidade pública, sabendo-se que, no Brasil, segundo pesquisa, um grande percentual das informações sobre o coronavírus nas redes sociais são falsas. Mas surgem opiniões contrárias, afirmando que há um exagero nas medidas preventivas, as quais, para alguns, não evitarão o contágio de muitos no Brasil.
Em meio à paralisação do comércio em geral e boa parte da indústria, salvo as frentes de primeira necessidade, com o maior aconselhamento sendo a permanência domiciliar, a informação correta tem sido aquela fornecida pela mídia em geral, salientando-se jornais, incluindo ainda sites, rádios e tevês. É um serviço de utilidade pública, sabendo-se que, no Brasil, segundo pesquisa, um grande percentual das informações sobre o coronavírus nas redes sociais são falsas. Mas surgem opiniões contrárias, afirmando que há um exagero nas medidas preventivas, as quais, para alguns, não evitarão o contágio de muitos no Brasil.
Ainda que seja assim, quando a anterior epidemia da H1N1 matou centenas de pessoas no País, sem o alarde e as medidas tomadas agora, o parâmetro assustador vem de fora, da Itália, com muitas mortes, e da Espanha. É evidente que não se pode paralisar, não totalmente, o Brasil, com prejuízos à economia, conforme já mais do que previsto, projetando uma recessão ainda em 2020.
O reconhecimento óbvio foi ao pessoal da área da saúde pública, com destaque para as equipes hospitalares, que receberam, merecidamente, aplausos de porto-alegrenses pelo seu trabalho fundamental neste momento tão grave por conta do coronavírus (Covid-19). Mas a segurança pública, a limpeza pública e os pequenos comércios também merecem aplausos.
Municípios do interior do Rio Grande do Sul também têm adotado o fechamento do comércio como ação prioritária no combate à pandemia.
Ainda que se demonstre aversão pessoal às medidas pelos incômodos inevitáveis, pensando racionalmente, chega-se à conclusão, na falta de medicamentos ou vacinas - essas em experimentação - que previnam a doença, que tudo o que foi decretado, nos âmbitos federal, estadual e municipal tem razão de ser.
Mas a mídia tem colaborado, com trabalho ininterrupto para dar esclarecimentos, apontar precauções e divulgar, sistematicamente, as medidas de prevenção. E o pessoal do setor que continua trabalhando está sujeito à contaminação tão indesejável.
Importante o papel da mídia para que esse cenário da pandemia não fique além da capacidade de resistência da estrutura médico-hospitalar no Brasil, no Estado e em Porto Alegre, como nos demais municípios.
É preciso obedecer às instruções, evitando-se a contaminação local, o que já tem ocorrido. E que de tudo o que estamos passando ficam lições para que, adiante, tenhamos mais e melhores frentes de combate às doenças coletivas.
 
CORRIGIR